Versão nacional do Audi A3 passa por face-lift

Modelo agora oferece opção de Virtual Cockpit na versão de topo Ambition


Novidades e recursos tecnológicos têm uma trajetória muito bem delineada na indústria de automóveis. Primeiro chegam nos automóveis mais caros e glamourosos. Depois vão para modelos intermediários e finalmente chegam aos modelos da base. E nada disso tem a ver necessariamente com o custo da tecnologia. Na verdade, o que conta aí é aumentar o valor percebido pelo consumidor. É exatamente o que está acontecendo com o Virtual Cockpit da Audi. Trata-se de um monitor de TFT configurável que ocupa todo o cluster de instrumentos e traz mapas de navegação sobre fotos do Google Earth. Ele começou na nova geração do Audi TT lançada em 2014 e foi sendo introduzido nos modelos mais luxuosos conforme passavam por modificações ou mudanças de geração.

Foi para o R8, depois se espalhou pelas linhas 4, 5 e chegou ao Q7. Mas antes mesmo de ser adotado nos sedã mais caros A6 e A8 – eles só devem recebê-lo nas novas gerações, previstas para os próximos meses –, o Virtual Cockpit abordou o sedã A3 produzido no Brasil, que acaba de receber o face-lift promovido na Europa ano passado. Por enquanto, o equipamento aparece apenas na versão mais cara, a Ambition, e ainda assim como opcional. Ele adiciona R$ 16.500 a uma conta já salgada de R$ 156.190 cobrada pela versão Ambition.

Nas demais versões, a básica Attraction e a intermediária Ambiente, as novidades se limitaram às alterações estéticas do face-lift, que se concentram na parte frontal. A grade ganhou contornos com ângulos mais vivos e os faróis receberam um vinco na parte interna – o que provocou uma sutil mudança no desenho do para-choque. A topo Ambition tem sob o capô o motor 2.0 TFSI, bem semelhante ao utilizado no Volkswagen Golf. Ele rende 220 cv de potência e 35,7 kgfm de torque entre 1.500 e 4.400 giros. Já as demais versões são animadas pelo motor 1.4 TFSI flex de 150 cv de potência e torque de 25,5 kgfm de torque disponíveis a partir de 1.500 rpm.

Foto: Eduardo Rocha/Carta Z Notícias
O modelo mostra conceito dinâmico de alto nível e ainda mantém um compromisso com o conforto

Conteúdos
A diferença de R$ 9 mil entre a Attraction, a R$ 115.190, a Ambiente, a 124.190, mal se explica pela diferença de conteúdo. A intermediária tem a mais apenas rodas de 17 polegadas com pneus 225/45, sensores de luminosidade e chuva e para-brisa acústico – que reduz bastante a entrada de ruídos no habitáculo. No mais, ambas as versões seguem o padrão de um sedã compacto premium no mercado: ar, trio, sete airbags, sensor traseiro, ESP, faróis bi-xenônio, computador de bordo, freio de estacionamento eletromecânico, sistema Start/Stop, volante de direção em couro multifuncional com shift-paddles e travamento central com controle remoto à distância

Além dos 70 cv a mais, a versão Ambition 2.0 traz uma suspensão mais sofisticada, com um sistema multilink no lugar da barra de torção do modelo de entrada. A ideia é responder melhor ao desempenho do motor. Outra diferença no trem-de-força é que o câmbio no modelo top é de dupla embreagem e seis marchas, enquanto no de entrada é automático, também de seis velocidades.