Ducati Monster acumula 25 anos de melhorias

Marca lança movo comemorativa ao seu primeiro modelo, lançado originalmente em 1992


Em 1992, a Ducati apresentou a Monster 900 no Salão do Automóvel de Colônia, na Alemanha. Agora a fabricante decidiu comemorar o quarto de século da existência do modelo apresentando em Milão um modelo com cilindrada, estética e cores muito próximas às do modelo de estreia. Além disso, trouxe também a Monster 797, que é uma das mais cobiçadas da marca e que passou ser a porta de entrada para o mundo da Ducati, juntamente com a Scrambler.

Nos últimos 25 anos, a Ducati Monster manteve a receita básica, mas evoluiu. Hoje, tem todas as características que uma motocicleta moderna deve ter. A começar pelo motor que, obviamente, sofreu mudança ao longo dos anos – hoje, leva um intervalo de 12 mil km para manutenção da válvula, o que melhorou a confiabilidade.

Além disso, no caso da Monster 797, o propulsor é o mais clássico da gama, o Testastretta de dois cilindros em “L”, refrigerado a ar, 797 cc e comando de válvula desmodrômico. Ele rende 73 cv de potência a 8.250 rpm e 6,83 kgfm de torque a 5.750 rpm. A estética, ao longo dos 25 anos, sofreu algumas mudanças, mas sem retirar a identidade do modelo inicial. O quadro é em treliça com tubos de aço, com garfos Kayaba de 43 mm na frente e monobraço de pré-carga e extensão ajustável atrás. O sistema de frenagem é da marca Brembo, com quatro pistões na frente que atuam em dois discos de 320 mm, e um único pistão que atua em um disco de 245 mm na traseira.

A moto tem 193 kg de peso em ordem de marcha. A Ducati Monster 797 é uma motocicleta consagrada, já que nesses 25 anos conseguiu se livrar de alguns “problemas” de juventude e se reinventou como uma moto completa, que agrada aos olhos e garante diversão na direção. Na Europa, são necessários 8.990 euros (R$ 34.900) para lavá-la para casa. No Brasil, a fabricante italiana pede R$ 39.900 pela naked.

 

Notícias sobre a região, Brasil e o mundo em um clique. Receba nossa newsletter