Um problema chamado Síndrome de Borderline

Ela é confundida com doenças como esquizofrenia ou doença bipolar, por alternar momentos de estabilidade com surtos psicóticos e comportamentais


A Síndrome de Borderline, também chamada de transtorno de personalidade limítrofe, é caracterizada pelas mudanças súbitas de humor, medo de ser abandonado pelos amigos e comportamentos impulsivos, como gastar dinheiro descontroladamente ou comer compulsivamente, por exemplo. Geralmente, as pessoas com Síndrome de Borderline têm momentos em que estão estáveis, que alternam com surtos psicóticos, manifestando comportamentos descontrolados. Esses sintomas começam a se manifestar na adolescência e se tornam mais frequentes no início da vida adulta.

Por vezes, esta síndrome é confundida com doenças como esquizofrenia ou doença bipolar, mas a duração e intensidade das emoções é diferente, sendo fundamental ser avaliado por um psiquiatra para saber o diagnóstico correto e iniciar o tratamento adequado.

Foto: Freeimages.com
Síndrome de Boderline ainda é confundida com outras doenças

O diagnóstico deste transtorno é feito através da descrição do comportamento relatado pelo paciente e observadas por um psicólogo ou psiquiatra. Além disso, é importante fazer exames fisiológicos, como hemograma e sorologia, para a exclusão de outras doenças, pois as suas características são semelhantes a outras, como depressão ou esquizofrenia, por exemplo.

O tratamento do Síndrome de Borderline é realizado com o uso de medicamentos anti-depressivos, estabilizadores de humor e calmantes indicados pelo psiquiatra. Além do tratamento com remédios, é necessário manter acompanhamento psicológico para realizar psicoterapia e ajudar o indivíduo a controlar suas emoções negativas, como saber enfrentar momentos de maior estresse.

Saiba se é portador dessa doença

Para saber se é síndrome de Borderline, também conhecida por transtorno de personalidade limítrofe, é necessário estar atento a sintomas como oscilações de humor e impulsividade, e sempre que houver suspeita desse transtorno psicológico deve consultar um psicólogo ou psiquiatra para diagnosticar o problema e iniciar o tratamento adequado.

Normalmente, os primeiros sintomas surgem durante a adolescência e podem ser confundidos com momentos de rebeldia comuns dos jovens, mas na maioria dos casos diminuem de intensidade na vida adulta.

O transtorno de personalidade limítrofe​ pode ocorrer devido a predisposição genética, no entanto, experiências emocionais fortes enquanto criança, como enfrentar uma doença ou morte e situações de abuso sexual ou de negligência podem levar ao desenvolvimento desta síndrome. Os sintomas podem surgir devido a acontecimentos rotineiros, como ir de férias ou alterações de planos, provocando sentimentos de revolta intensos.

Os sintomas mais comuns que podem indicar a doença podem ser:

• Sentimentos negativos exagerados, como medo, vergonha, pânico e raiva;
• Interpretações instáveis sobre os outros, avaliando como boa pessoa em um instante e rapidamente julgando como má pessoa;
• Medo de ser abandonado pelas pessoas mais próximas, principalmente amigos e família e, fazendo ameaças no caso de ser abandonado, como tentativa de suicídio;
• Comportamentos de dependência, como jogos, gasto descontrolado, consumo exagerado de comida ou de drogas;
• Instabilidade no tipo de relações que mantém com os amigos ou família, variando entre intimidade e distanciamento;
• Baixa auto-estima;
• Comportamentos impulsivos e perigosos, como contato íntimo desprotegido, abuso de drogas;
• Emprego instável;
• Insegurança em si próprio e nos outros;
• Sensação de vazio crônico e de sentimentos de rejeição constante;
• Dificuldade em aceitar críticas;
• Relacionamentos sempre muito intensos, porém confusos e desorganizados.

Fonte: Arthur Frazão, clínico geral / www.tuasaude.com

Notícias sobre a região, Brasil e o mundo em um clique. Receba nossa newsletter