Terceira idade se reinventa, mas é preciso atenção

Terceira idade vem acompanhada de vários cuidados e o principal está relacionado à saúde ligada ao tempo seco e de baixa umidade


A população brasileira está envelhecendo. Por isso, viver mais e melhor é um desejo comum de grande parte da sociedade. Para se ter ideia, o Censo de 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) previu que, até 2030, o número de idosos do DF será de 14,9%.

Outra pesquisa realizada pelo IBGE mostra que o DF é o que tem o maior percentual de habitantes se exercitando: 50,4% da população que vive na capital do País está em movimento e isso incluiu um bom número de idosos.

Porém, mesmo com a busca por um corpo mais saudável, a terceira idade vem acompanhada de vários cuidados e o principal está relacionado à saúde ligada ao tempo seco e de baixa umidade.

De acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), a umidade relativa do ar chegou à casa dos 20% em julho e, em agosto, alcançou 40%. Os números são considerados preocupantes. Diante disso, Marina Valim, geriatra, chama atenção principalmente para a hidratação e cuidados com a pele.

“O idoso tende a perder a sensação de sede e naturalmente ingere menor quantidade de água. A umidade baixa é o principal motivo de coceira nessa faixa etária, podendo gerar lesões e complicações como infecções secundárias (erisipela, celulite)”, destaca.

Aliado à preocupação com o tempo, a especialista pede rigorosidade com caderneta de vacinação, pois nessa época há também um crescimento atenuante dos resfriados, doenças pulmonares e gripe – essa, de acordo com Marina, apresenta grande impacto no número de idosos que podem chegar a falecer em decorrência de uma doença específica. “A partir da gripe o paciente idoso se torna mais vulnerável e predisposto a doenças mais graves como pneumonia. Pode, ainda, descompensar doenças já existentes como diabetes, enfisema pulmonar e doenças cardiovasculares”, alerta.

Além do envelhecimento, essa faixa da população atual chama a atenção por se preocupar com outros assuntos que vão desde a independência, a aceitação dos cabelos brancos e o incentivo à vaidade no que diz respeito a acentuar a beleza própria da idade.

Marina Valim acredita que a quebra dos paradigmas que ligam o idoso apenas a indivíduos aposentados é fruto de uma longa jornada. “A ciência cada vez mais nos mostra caminhos para envelhecer bem e se cuidar de maneira ativa e preventiva. E para isso nunca se é novo demais ou velho demais”, finaliza.

Notícias sobre a região, Brasil e o mundo em um clique. Receba nossa newsletter