Nem todo suor causa mau cheiro

Quem apresenta o quadro de bromidrose não pode descuidar da higiene; o dignóstico é sempre feito por um médico


Quantas vezes você se deparou com odores de pessoas nas ruas, nos ônibus, em festas. O famoso “desodorante vencido” muitas vezes não está ligado ao descuido com a higiene e sim com um problema de saúde. O mesmo exemplo vale para aqueles que apresentam suor excessivo nos pés e ao tirarem os sapatos afastam quem está por perto. O popular “chulé” também está ligado a produção de suor que ao ter contato com fungos e bactérias produz um cheiro forte.

O ser humano possui dois tipos de glândulas sudoríparas, as écrinas e as apócrinas. A primeira está espalhada por toda a derme e é responsável por manter a temperatura do nosso corpo em torno de 36,5. Essa glândula é responsável pela produção do suor composto por água e sais minerais, que é expelido pelos poros. Esse suor é inodoro, sem cheiro.

Foto: Fotolia
Nem todo suor causa mau cheiro

Já aquele suor que causa mau cheiro é produzido pelas glândulas apócrinas, que estão localizadas em pontos específicos do corpo humano: axilas, mamilos, região genital, couro cabeludo e planta dos pés. “O suor produzido por essas glândulas possui mais que água e sais minerais. Na maioria das vezes, esse suor tem também restos celulares e quando estão em contato com fungos e bactérias (microorganismos) ocorre uma ação química e o inocente suor apresenta um odor fétido”, relata o cirurgião plástico Alexandre Kataoka (membro da SBCP e Perito do Instituto de Medicina Social e Criminologia do Estado de São Paulo (IMESC).

Sabe-se que quem tem diabetes, quem apresenta alterações hormonais, usam certos tipos de antibióticos e pessoas que fazem uso excessivo do álcool ou abusam de alimentos como pimenta, alho e cebola podem apresentar o quadro de bromidrose.

Quem apresenta o quadro de bromidrose não pode descuidar da higiene. Seja para evitar o mau cheiro nas axilas ou na planta dos pés, a higienização deve ser redobrada principalmente no verão. Utilizar produtos anticépticos e desodorantes antitranspirantes, trocar o sapato e roupas diariamente e secar bem as axilas e os pés são algumas dicas.

TRATAMENTO

O primeiro passo é fazer o diagnósticom que deve ser feito por um médico que irá prescrever o tratamento correto. Dependendo do quadro e estágio da bromidrose dois tratamentos são indicados. O uso da toxina botulínica após avaliação médica é uma importante arma no combate da bromidrose, tendo uma taxa de melhora em aproximadamente 60% dos pacientes.

A aplicação deve ser feita a cada 6 meses. O objetivo é paralisar as glândulas, com a finalidade de diminuir a sudorese e a produção de microorganismos locais.

“Em casos que a toxina não foi efetiva, a opção é o procedimento cirúrgico. Dentre as cirurgias, duas podem ser realizadas, a lipoaspiração superficial da região afetada ou a retirada total da região, ou ainda a combinação das duas técnicas”, diz o cirurgião.

Como todo procedimento cirúrgico, algumas medidas têm que ser adotadas, com a finalidade de um procedimento seguro, como exames pré-operatórios e realização do procedimento em local adequado. A recuperação é rápida, cerca de 15 dias (variando de caso a caso).

Notícias sobre a região, Brasil e o mundo em um clique. Receba nossa newsletter