Medicina nuclear na prevenção do infarto

Estresse aumenta 75% no final do ano e pode acabar prejudicando coração


De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 17,5 milhões de pessoas morrem todos os anos vítimas de doenças cardiovasculares (como ataques cardíacos e derrames) – maior causa de mortes no mundo, principalmente nos últimos meses do ano, quando o estresse aumenta 75% de acordo como a ISMA (International Stress Management Association). A Medicina Nuclear atua, entre outras áreas, na detecção precoce das doenças cardiovasculares, como o infarto.

O infarto é a obstrução das artérias que bombeiam o sangue para o coração (chamadas coronárias), por placas de colesterol acumulado nas paredes da artéria (placas de arteriosclerose). Essas placas podem ser eliminadas por tratamento medicamentoso capaz de interromper o crescimento da placa de gordura e reduzi-la, ou por intervenções cirúrgicas como a ponte de safena e angioplastia.

Foto: Freeimages.com
Problemas do coração podem ser prevenidos em alguns casos

De acordo com a cardiologista e médica nuclear da DIMEN, Priscila Cestari Quagliato, os fatores de risco do infarto podem ser divididos em modificáveis e não-modificáveis e merecem atenção. “Dentre os modificáveis encontram-se os hábitos alimentares, atividade física, estresse e tabagismo. O consumo de alimentos ricos em calorias, sódio e colesterol, associado ao sedentarismo tornam as doenças cardiovasculares cada vez mais frequentes e precoces. Predisposição genética para a formação de placas de arteriosclerose estão entre os fatores não-modificáveis”, explica.

EXAMES PREVENTIVOS

Existem exames cardiológicos que atuam na detecção de condições cardíacas, mas, como é o caso do teste ergométrico, podem ocorrer alterações no resultado pelo uso de medicamentos ou alterações hormonais da menopausa. A especialista explica como funcionam os principais exames da Medicina Nuclear e como eles podem auxiliar de forma precisa a detecção das doenças cardiovasculares.

A cintilografia de perfusão miocárdica é um exame que avalia a circulação sanguínea realizada pelas artérias. A avalição é feita em repouso – com a administração de um material com baixa radioatividade – e em estresse – seja por atividade física em esteira ou simulação desta por meio de medicamentos para os casos em que o paciente não consiga realizar o esforço físico .

Assim, a cintilografia capta imagens do coração e avalia se o fluxo de sangue para o coração está regular e, em caso negativo (a chamada isquemia), identifica qual coronária deve ser tratada.

O PET-CT (pósitron emission tomography) é uma ferramenta muito utilizada em oncologia, mas de grande importância na cardiologia, apesar de ainda pouco conhecida. A utilização endovenosa de uma glicose radioativa permite diferenciação com extrema precisão da cicatriz após o infarto no músculo do coração. “O resultado deste exame auxilia o cardiologista na decisão de investir em um procedimento de revascularização para reestabelecer o fluxo de sangue para a área doente, permitindo assim a sua recuperação quando ainda há músculo vivo. Essa glicose é a mesma utilizada nos exames de oncologia e, portanto, está disponível em todos os serviços que ofereçam a tecnologia PET”, afirma a médica.

Fonte: DIMEN

Notícias sobre a região, Brasil e o mundo em um clique. Receba nossa newsletter