Controlando a TPM e a menopausa com amora

Para facilitar e seguir uma rotina e uma quantidade corretas no consumo da amora miúra, as cápsulas podem ser a melhor alternativa


Uma planta rica em nutrientes que auxiliam a mulher em uma das suas principais fases da menopausa e ainda retarda o envelhecimento. Essa é a amora miúra, uma plantinha nativa das regiões temperadas e subtropicais, conhecida pelos altos valores nutricionais dos seus frutos e por possuir diversos compostos com ação medicinal. Rica em ferro, fibras, fitonutrientes, antioxidantes, magnésio, potássio, cálcio e zinco, o seu consumo é ideal para a reposição hormonal.

“A amora miúra age regulando os hormônios, por isso age com bastante eficácia nos sintomas da menopausa, como calores, suores frios, irritação, ansiedade, ressecamento da vagina, dificuldades para dormir, depressão, dores musculares e articulares”, afirma Dalila Marciele Nunes, nutricionista. Ela também combate e ajuda a melhorar os sintomas da TPM. Mas não é apenas essa a função da amora miúra, e não é só voltada para as mulheres.

Foto: Creative Commons
Rica em ferro, fibras, fitonutrientes, antioxidantes, magnésio, potássio, cálcio e zinco, o seu consumo é ideal para a reposição hormonal

De acordo com a nutricionista, o consumo deste alimento também auxilia em outros fatores, como a diminuição do colesterol, prevenir e auxiliar no tratamento da osteoporose, melhorar a saúde dos olhos, aumentar a imunidade, controlar a pressão arterial, auxiliar na perda de peso, evitar danos no DNA das células (prevenindo o câncer) e evitando o envelhecimento precoce. E os diabéticos não ficam de fora, uma vez que ela ajuda no controle e na prevenção da doença.

“As fibras alimentares agem diretamente na redução dos níveis de glicose sanguíneo, já que atuam como uma barreira física no estômago para a absorção de glicose dos alimentos que são digeridos. Dessa forma, com menos glicose disponível para ser digerida, menores são as chances da elevação dos níveis de açúcar circulante no sangue. Baixos níveis de açúcar ajudam a controlar a produção de insulina, reduzindo também os quadros de resistência insulínica comumente encontrados nos indivíduos com diabetes”, explica Dalila.

Para facilitar e seguir uma rotina e uma quantidade corretas no consumo da amora miúra, as cápsulas podem ser a melhor alternativa. O complemento alimentar é desenvolvido por laboratórios. Porém, para a ingestão assertiva, é necessário seguir sempre uma orientação de um médico ou de um nutricionista, principalmente nos casos de gestantes. Crianças com menos de três anos e diabéticos devem ter a dosagem controlada. Os efeitos da ingestão podem ser percebidos logo ou até mesmo em 90 dias após o início do consumo.

Fonte: Dalila Marciele Nunes, nutricionista

Notícias sobre a região, Brasil e o mundo em um clique. Receba nossa newsletter