Nyã Baobá – SB.1

Voo da Chapecoense tinha parada para Cochabamba, diz Anac

Avião da companhia aérea LaMia, da Venezuela, caiu nas proximidades de Medellín quando levava a equipe da Chapecoense


Foto: Twitter_@flightradar24 / Reprodução
Trajeto voo do avião com a delegação da Chapecoense

O Sistema Integrado de Informações da Aviação Civil da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) tem dados sobre o pedido de um voo charter solicitado pela companhia aérea LaMia Corporation SRL para esta segunda-feira, dia 28, entre São Paulo e a cidade colombiana Rionegro com parada na Bolívia. A documentação da Anac, porém, mostra que a solicitação era de um voo com parada na cidade boliviana de Cochabamba e não Santa Cruz de la Sierra – cidades que ficam a 320 quilômetros de distância.

O voo levava a delegação da Chapecoense rumo à Medellín para a disputa do primeiro jogo da final da Copa Sul-Americana. O jogo estava marcado para a noite desta quarta, mas foi cancelado pela Conmebol.

De acordo com os dados do sistema da Anac, a solicitação número LMI-2016013163-002 foi feita pela LaMia para um voo charter com previsão de saída de Guarulhos, em São Paulo, às 15h desta segunda-feira e chegada às 18h na cidade de Cochabamba, na Bolívia. Após a parada na cidade boliviana, o voo decolaria uma hora depois, às 19h, com chegada estimada na localidade colombiana de Rionegro às 23h. O aeroporto José María Córdova, em Rionegro, é o que atende a região de Medellín.

A solicitação inscrita no banco de dados da Anac prevê o uso de uma aeronave modelo “RJ85” com matrícula “2933”. Os dados coincidem com o avião usado pelo time da Chapecoense: modelo Avro Regional Jet 85 matrícula CP2933. Os dados da Anac mostram ainda que a solicitação tem status de “restrição corrigida”.

Segundo dados do sistema aeronáutico Circle Mapper, 1.850 quilômetros separam Guarulhos de Santa Cruz de la Sierra e outros 2.960 quilômetros estão entre a cidade boliviana e Rionegro, na região de Medellín. Já o voo com os aeroportos citados no sistema da Anac tem como distâncias 2.159 quilômetros entre São Paulo e Cochabamba e outros 2.800 quilômetros entre Cochabamba e Rionegro.

Procurada, a assessoria de imprensa da Anac ainda não explicou o significado da “restrição corrigida” no banco de dados nem a razão de o voo usado pela equipe catarinense ter usado o aeroporto de Santa Cruz de la Sierra e não Cochabamba como local de parada técnica. Os aeroportos de Santa Cruz e Cochabamba estão distantes em cerca de 320 quilômetros.

Nesta madrugada, um avião da companhia aérea LaMia, da Venezuela, caiu nas proximidades de Medellín, na Colômbia, quando levava a equipe catarinense de futebol Chapecoense. Segundo as autoridades, 76 morreram no acidente, entre jogadores de futebol, jornalistas e membros da tripulação. Cinco sobreviveram, incluindo atletas da Chapecoense. Mas há pessoas da lista inicial de voo que não embarcaram, o que deve reduzir a lista de mortos assim que as autoridades atualizarem os dados oficiais.