Sogro de lateral da Chapecoense exalta união e revela viagem que motivou tatuagem

Pouco antes de embarcar com destino à Colômbia na noite desta terça-feira, em voo que partiria do Aeroporto Internacional de…


Pouco antes de embarcar com destino à Colômbia na noite desta terça-feira, em voo que partiria do Aeroporto Internacional de Cumbica, em Guarulhos (SP), Jorge Machado, sogro de Dener Assunção, lateral-esquerdo da Chapecoense, lamentou enormemente o acidente que vitimou o jogador no acidente aéreo que deixou mais de 70 mortos após a aeronave que transportava a delegação do time catarinense cair perto do aeroporto de Medellín no início da última madrugada (no horário de Brasília).

O jogador, que viajava para disputar a partida de ida da final da Copa Sul-Americana, nesta quarta, contra o Atlético Nacional, tinha casamento marcado para esta quinta-feira com Amanda Machado. Ao lado do pai, ela estava inconsolável. Ainda em estado de choque, chorava sem parar pela tragédia que matou o seu noivo, entre muitas outras pessoas que foram vítimas deste acidente.

“Antes de viajar o Dener mandou mensagem falando que amava ela. E ela, quando foi mandar a resposta, a mensagem nunca chegou”, afirmou Jorge Machado à reportagem da Agência Estado, exaltando também a união que havia dentro da Chapecoense. Ele chegou a mostrar uma série de fotos de Dener Assunção ao lado de outros jogadores para comprovar essa união, assim como exibiu com orgulhos outras fotografias do seu neto de 2 anos de idade, filho do jogador.

Machado até trouxe consigo fotos de Dener de quando ele ainda era da base do Grêmio e começou a namorar a filha dele. Aos 25 anos de idade, o atleta já tinha planos futuros de abrir uma escolinha de futebol, segundo contou à reportagem o pai de Amanda, que ainda revelou a proximidade que o atleta tinha com Cleber Santana e outros jogadores como Bruno Rangel, Kempes, Tiaguinho e Lucas Fonseca.

De acordo com Machado, o trio de atletas, inclusive, já tinha marcado uma viagem de férias juntos para Punta Cana. “Eles até chegaram a fazer uma tatuagem para comemorar a viagem”, afirmou o sogro de Dener Assunção, que vinha defendendo a Chapecoense desde o início de 2015.