Paulistão começa sob pretensão de equilíbrio

Editor de Esportes do LIBERAL, Bruno Moreira fala sobre as expectativas do Campeonato Paulista de Futebol, que teve início nesta sexta-feira


A temporada 2017 vive neste fim de semana, de forma oficial, o início dos compromissos da elite do futebol paulista. Desde a noite desta sexta-feira (3), quando o Santos goleou o Linense por 6 a 2, na Vila Belmiro, no duelo que marcou a abertura do Paulistão, o Estado tem a oportunidade de acompanhar o torneio mais enxuto dos últimos 15 anos, lançado sob a perspectiva de elevação da qualidade técnica, maior equilíbrio entre as equipes grandes e do interior, que passaram a receber mais dinheiro da FPF (Federação Paulista de Futebol), e participação do torcedor mais próxima do seu time naquele que é o evento relativamente de menor importância no ano – no caso dos grandes. (Confira o Guia do Paulistão feito pelo LIBERAL no link: www.liberal.com.br/campeonatopaulista)

Foto: João Carlos Nascimento / O Liberal
Editor de Esportes do LIBERAL, Bruno Moreira fala sobre as expectativas do Campeonato Paulista de Futebol

Ocorre que a tentativa de equilibrar a balança acabará, fatalmente, por encurtar a já pobre agenda de compromissos de parte dos times que vão a campo. As mudanças, ainda que percebidas entre os menores, são potencialmente mais comemoradas pelas camisas que naturalmente possuem maior poderio técnico e estrutural. Os quatro grandes terão menos jogos na primeira fase. A partir do mata-mata, a chance de zebras será menor, já que as quartas de final e semifinais voltarão a ser disputadas em confrontos de ida e volta, não mais em jogos únicos. Nesse sistema, o Audax conseguiu chegar à decisão no ano passado, enquanto o Ituano foi campeão em 2014.

Os times menores que caírem na primeira fase ainda terão o obscuro Torneio do Interior pela frente, cujo sistema de disputa não foi explicitado no regulamento, tendo sua divulgação prevista para durante o campeonato. Aos dois rebaixados, caso não disputem nenhum outro campeonato no segundo semestre, a temporada será resumida aos 12 jogos realizados na etapa de classificação, um número claramente deficitário à gestão dos clubes. Ainda que estejam eventualmente na Copa Paulista, não terão o provável prejuízo equacionado.

Liberal Motors – BC

A caminhada no sentido do avanço técnico, alinhado às melhores soluções de calendário para o futebol nacional, precisam incluir o esporte praticado no interior nesse contexto. Não será exclusivamente do poço dos grandes clubes que o torcedor brasileiro matará a sua sede.