Em Chapecó, mais de 20 mil pessoas prestam homenagem às vítimas na Arena Condá

No horário em que a Chapecoense deveria estar prestes a disputar o jogo mais importante da sua história, nesta quarta-feira,…


No horário em que a Chapecoense deveria estar prestes a disputar o jogo mais importante da sua história, nesta quarta-feira, as luzes da Arena Condá, em Chapecó (SC), diminuíram de intensidade. Imediatamente, os mais de 20 mil torcedores presentes começaram a entoar o hino do clube. Sinalizadores verdes iluminaram o local. O ambiente era aquele que deveria ser: o de final de campeonato.

No gramado, o mascote do clube, o índio guerreiro, tentava acompanhar a alegria da arquibancada, mas dentro da fantasia um homem chorava. Cleiton Dona, de 37 anos, vive de interpretar o mascote do time há 5 anos. “Hoje (quarta-feira) a gente tenta, mas não dá. É preciso de força, mas agora é difícil”, disse Cleiton sem tirar a fantasia.

Às 21h15, o minuto de silêncio foi respeitado por todos no estádio. Depois, crianças entraram com o uniforme do time; na sequência, ex-jogadores se juntaram a familiares das vítimas (Fabiano, que hoje está no Palmeiras, era um dos mais emocionados).

A cerimônia foi rápida, mas intensa. Dois pastores e o padre Igor, famoso torcedor da Chapecoense, falaram rapidamente. Foram palavras de consolo e força – para os torcedores e para a cidade. “O que se vivia era um sentimento fraternal de família”, lembrava o padre. O religioso fez com que o estádio inteiro repetisse o Pai Nosso em coro. Nas arquibancadas, muita gente foi às lágrimas nesse momento. “Acendam os seus celulares agora. À luz que vocês estão vendo é a luz de Deus no meio de nós”, falou o padre Igor.

Minutos antes do horário daquele que seria o primeiro jogo da final da Copa Sul-Americana, um grupo de ex-jogadores, atletas da base e dirigentes do clube deram a volta olímpica na Arena Condá. A torcida emocionada acompanhou como se estivessem ali os campeões.

Um vídeo homenageando todas as vítimas do desastre aéreo foi exibido em um telão. Depois, sincronizada por uma contagem regressiva, a torcida entoou o grito de “é campeão”, “é campeão”.

Mesmo após a cerimônia, os torcedores permaneceram no estádio. Ninguém queria ir embora e perder aquele momento. “Eu vou acampar no estádio até os corpos chegarem. Fico aqui o tempo que for preciso”, disse Cristiano William Filho, de 19 anos, membro da Torcida Jovem da Chapecoense.

“Isso aqui é uma família. Foi como assistir uma celebração em família. Minha vontade é abraçar todo mundo. Aliás, todo mundo aqui está se sentindo abraçado”, falou a professora universitária Mariângela Torres, de 59 anos. “Nessa hora, era pra gente estar vendo o jogo”, completou o torcedor Aníbal Ferreira, de 48. “Por isso, não quero ir embora desse estádio. Vou ficar aqui como se estivesse assistindo o jogo do meu time”, afirmou.