Cruzeiro faz homenagem histórica na camisa e lembra violência contra mulher

Nada de nome das mães dos jogadores, ou frases de efeito. A homenagem que o Cruzeiro fará ao Dia Internacional…


Nada de nome das mães dos jogadores, ou frases de efeito. A homenagem que o Cruzeiro fará ao Dia Internacional da Mulher, nesta quarta-feira, vai direto à raiz do problema. Mostra, por exemplo, que a cada 2 horas, uma mulher é morta no País. Ou que não há vereadoras em 23% dos municípios brasileiros.

Quando entrar em campo diante do Murici, nesta quarta-feira, no interior de Alagoas, pela terceira fase da Copa do Brasil, o Cruzeiro estará fazendo uma homenagem histórica às mulheres. As camisas dos jogadores lembrarão a violência contra elas e a desigualdade em relação aos homens.

Para isso, o número de camisa de cada jogador vai se tornar uma estatística. A ação é uma parceria entre a Umbro e a Agência New360. Os dados foram colhidos pela ONG Azminas, que pelo empoderamento.

“O Cruzeiro Esporte Clube tem participado de diversas campanhas contra qualquer tipo de preconceito. Em pleno século XXI, não é tolerável ver as mulheres sofrerem atos de violência e discriminação. Com esta ação, nos juntamos a todos que combatem as desigualdades contra pessoas do sexo feminino. Esse é um dos papeis sociais que os clubes de grandes torcidas precisam sempre estar desenvolvendo”, comentou Gilvan de Pinho Tavares, presidente do Cruzeiro.

As camisas trarão as seguintes frases:

A cada 2 horas, uma é morta

Trabalham quase 3 vezes mais nas tarefas de casa

5º país em taxa de feminicídio

De cada dez desempregados, 7 são mulheres

A cada dez jovens, 8 sofreram assédio

Três em cada 10 já foram beijadas a força

A cada 11 minutos, um estupro

Apenas 12% dos prefeitos do Brasil

17% dividem o presídio com homens

Apenas 22% dos parlamentares do mundo

Não há vereadoras em 25% dos municípios

25% tem depressão pós-parto

27% continuam com o agressor

Apenas 29% dos protagonistas dos filmes

Salários 30% menores

Pouco mais de 31% dos candidatos eleitorais

33% já sofreram assédio na rua

35% já sofreram assédio em transporte público

37% dos funcionários de grandes empresas

Parceiros cometem 38% dos feminicídios

Dos assédios, 39% foram com xingamentos

70% dos que passam fome no mundo