Advogado retorna ao União com missões, após desentendimento

Régis Godoy terá cuidado redobrado com penhora e também cobranças


O advogado Régis Godoy aceitou o convite feito pelo grupo de empresários que assumiu o futebol do União Barbarense e voltou a trabalhar para o clube nesta sexta-feira. Ele esteve à frente do Departamento Jurídico por mais de um ano e só saiu após um desentendimento com o então diretor de futebol Fábio Costa durante a Série A2, quando o dirigente insistiu num projeto de fazer um empréstimo bancário para o Leão da 13, o que acabou não tendo prosseguimento.

Régis Godoy retorna ao União com importantes missões no âmbito jurídico. Uma delas é manter a atenção redobrada com o estádio Antonio Lins Ribeiro Guimarães, que está penhorado pela Justiça do Trabalho e corre risco de ir a leilão por causa de dívidas trabalhistas. Além disso, o advogado tentará reaver recursos que podem pertencer ao clube. Para isso, ele deverá cobrar o Boa Esporte na Justiça pelo suposto ‘calote’ no pagamento dos R$ 50 mil pelo empréstimo dos paraguaios Juan Melgarejo e Braian Samudio no ano passado.

Foto: Marcelo Rocha / O Liberal
Advogado deverá se debruçar nos papéis para buscar dinheiro por transferência do meia Oscar ao futebol chinês

Segundo o presidente Jairo Araújo, a diretoria até recebeu dez cheques no valor de R$ 5 mil, mas todos voltaram. Além de cobrar o time mineiro, o advogado do Leão da 13 também deverá acionar uma antiga parceria do clube na Justiça: a Carmo de Souza, que atuou na agremiação em 2015 e saiu antes do término do contrato. A multa por quebra do acordo, assinada pelas duas partes, é de R$ 5 milhões. Por fim, Godoy deverá se debruçar nos documentos para buscar uma bolada pela transferência do meia Oscar ao futebol chinês em 2016.

O União estuda meios de provar que participou da formação do atleta para receber uma parte do montante da negociação com o Shangai SIPG, estimada em R$ 212 milhões, através do mecanismo de solidariedade da Fifa. Se reunir os documentos necessários, o Leão da 13 pode ganhar uma quantia superior a R$ 500 mil.

FORMADORES
O mecanismo de solidariedade prevê que 5% das transações sejam divididas entre os clubes formadores, que participaram da evolução do atleta, dos 12 aos 23 anos. O São Paulo, por exemplo, tem direito a 2,36% do valor, ou R$ 5 milhões. O Internacional, por sua vez, deve receber 0,82% da transferência, o equivalente a R$ 1,74 milhão. Antes de defender os dois clubes, Oscar foi descoberto na escolinha do clube social do União, onde jogou de 2002 ao ano de 2004, quando completou 13 anos de idade.