Clássico do teatro, ‘Boca de Ouro’ faz curta temporada em Campinas

Espetáculo da década de 1950 pode ser conferido a partir de hoje no Teatro Iguatemi de Campinas


A peça “Boca de Ouro”, um dos clássicos de Nelson Rodrigues (1912 – 1980), ganhou nova montagem, sob direção de Gabriel Villela. Após temporada bem-sucedida em São Paulo, o espetáculo da década de 1950 pode ser conferido a partir de hoje no Teatro Iguatemi de Campinas, sendo esta a primeira cidade a receber a peça fora da capital paulista. Esta breve temporada também será a primeira vez que a montagem ocorre em palco italiano, e não em teatro de arena, como de costume. As sessões ocorrem às sextas, às 21h; aos sábados, às 21h30; e aos domingos, às 19h; entre hoje e o próximo dia 12 de novembro.

“Foi realmente um privilégio, eu havia acabado de sair de uma novela e estava ‘louco’ para voltar a fazer teatro, porque vinha de uma constante. Eu já estava naquela coisa de ‘eu preciso fazer teatro!’, mas não tinha nada em vista”, comemorou o ator Malvino Salvador, em coletiva de imprensa realizada esta semana em Campinas.

Foto: João Caldas / Divulgação
Clássico de Nelson Rodrigues, “Boca de Ouro” ganha nova montagem

A princípio, o papel do protagonista Boca de Ouro foi oferecido para o ator Eriberto Leão, mas por conta de outros compromissos, ele teve que negar a proposta. “Quando ele me contou sobre o papel, eu já pensei ‘caraca, eu tinha muita vontade de fazer essa peça’, aí me ligou falando que não poderia mais fazer depois de umas duas semanas, e acabou que eu ‘tô’ aqui”.

A peça apresenta três versões de um mesmo fato, a morte do bicheiro Boca de Ouro, interpretado por Malvino Salvador. O caso é investigado por um repórter, a partir da entrevista com sua ex-amante, Dona Guigui, da atriz Lavínia Pannunzio. Já os atores Mel Lisboa e Claudio Fontana vivem o casal Celeste e Leleco. Leonardo Ventura interpreta Agenor, fiel e apaixonado marido de Guigui. E Chico Carvalho é Caveirinha, o repórter que carrega o olhar afiado e crítico do dramaturgo-jornalista, e também a grã-fina Maria Luisa, dando vida para dois papeis. Cacá Toledo e Guilherme Bueno completam o elenco.

Salvador defende que o texto é atemporal. “As coisas que o espetáculo fala têm amparo na atualidade. Ele fala sobre o ambiente jornalístico, inclusive sobre essa coisa da ‘pós-verdade’, que as pessoas criam notícias falsas, criam uma narrativa conforme a sua intenção. Você tem as vezes alguém ali acreditando porque ele está cética e quer acreditar nisso. Então, o que mais importa, é a veracidade da notícia, ou como ela é contada?”, reflete.

O ator também observa a forma como as personagens são abordadas. “A Celeste e o Leleco, por exemplo, têm diálogos que são muito interessantes e poderiam existir agora no subúrbio carioca. O Boca de Ouro, o bicheiro, na comunidade é uma figura que ajuda, mas, por outro lado, ele mata! Olha a riqueza de Nelson Rodrigues, ele coloca na boca do personagem várias versões, que dependem do ponto de vista. Ele é ora herói e ora vilão”.

A música também é apontada como um diferencial da montagem. No decorrer da história, a cantora Mariana Elisabetsky e o pianista Jonatan Harold interpretam obras de Dalva de Oliveira, cujo centenário de nascimento foi celebrado em 5 de maio de 2017. A musicalidade é uma característica do gênero melodrama, que influência também os diálogos e as interpretações.

ACONTECE: A peça “Boca de Ouro” será encenada às sextas, às 21h; aos sábados, às 21h30; e aos domingos, às 19h, até o dia 12 de novembro. Os ingressos custam entre R$ 25 e R$ 100. O Teatro Iguatemi fica na Avenida Iguatemi, 777, Vila Brandina. Informações pelo telefone 3294-3166 ou www.teatrogt.com.br.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora

Receba nossa newsletter!