O eterno ‘Sou Boy’

O cantor e produtor Kid Vinil morreu na tarde da sexta-feira, 19, aos 62 anos, em São Paulo. Ele, que…


O cantor e produtor Kid Vinil morreu na tarde da sexta-feira, 19, aos 62 anos, em São Paulo. Ele, que era diabético e sofreu uma parada cardíaca no dia 16 de abril, estava internado no hospital Totalcor, no Jardim Paulistano, na zona norte. Importantíssimo para a construção da história do rock nacional, Antônio Carlos Senefonte, nome de batismo do artista, iniciou sua carreira com o grupo Verminose, um dos pioneiros do pós-punk no País. Pouco tempo depois, a banda se transformou no Magazine. No início dos anos 80, o grupo alcançou sucesso nacional com os hits Sou Boy e Tic-Tic Nervoso.

Em 2015, Kid ganhou a biografia Um Herói do Brasil, escrita pelo jornalista Ricardo Gozzi e pelo músico Duca Belintani. Nas redes sociais, artistas e amigos lamentaram a notícia: “Meu professor, descanse em paz”, escreveu João Gordo. “Amigos, acabei de receber a mais triste notícia de que meu amigo e professor Kid Vinil faleceu hoje. Muita tristeza!”, disse Luiz Thunderbird no Twitter.

Kid estava internado desde o dia 15 de abril, quando passou mal logo depois de uma apresentação em Conselheiro Lafaiete, região central de Minas Gerais. Ele era uma das atrações da Festa Retrô, no Clube Dom Pedro II. Com a ajuda de amigos e familiares, foi transferido para a capital paulista.

A história do garoto atarracado, nascido na cidade de Cedral, no interior de São Paulo, começou no primeiro trimestre de 1955. Não se sabe ao certo a data. Para a mãe de Kid, ele nasceu em 26 de fevereiro. Já o pai, no entanto, crava que foi no dia 10 de março.
À época, era muito comum que os nascimentos fossem registrados não apenas dias depois, mas, às vezes, com semanas ou até meses de atraso. “Eu tinha duas festas de aniversário. Era engraçado, porém, corriqueiro em muitos locais do interior”, disse Kid, que recebeu a reportagem em seu apartamento, no bairro do Cambuci, na zona sul de São Paulo, em maio de 2015, para falar sobre sua biografia, Um Herói do Brasil.

A paixão de Kid pela música começou cedo, ainda na infância. Os pais gostavam de cantores como Carmen Miranda, Altemar Dutra e Tonico e Tinoco. O contato com artistas internacionais veio por intermédio do vizinho Benedito, que emprestava discos de Elvis Presley para o garoto. Influenciado pela religiosidade da mãe, Kid queria ser padre. Virou coroinha. Foi o mais próximo que conseguiu. No colégio, conheceu Beatles, Stones, Hendrix e Joplin. “O rock dominou meus pensamentos e eu esqueci aquele fanatismo católico”, afirmou ele, ainda em entrevista ao Caderno 2.

Ser músico não fazia parte dos planos de Kid Vinil. Segundo ele, as coisas aconteceram de forma natural e espontânea. Verminose, sua primeira banda, mudou o nome para Magazine. Sucessos como Sou Boy, Tic-Tic Nervoso e Comeu, de Caetano Veloso, explodiram nas rádios. O rock brasileiro bem-humorado virou uma realidade nos anos 1980. Em 2008, lançou o elogiado livro Almanaque do Rock, que contava um pouco da trajetória do rock desde os anos 1950.

Televisão

Na TV, Kid participou do programa Boca Livre, da TV Cultura, em 1987. Comandou o Som Pop, na mesma emissora até 1993. A linguagem jovem e a fama de enciclopédia ambulante da música o levou a apresentar Mocidade Independente, na Band. O músico também apresentou o Lado B, na MTV, onde trabalhou de 1999 a 2001. O programa era voltado para o universo da música alternativa. Nos últimos anos, Kid costumava viajar pelo Brasil com apresentações como DJ e com a banda Kid Vinil Xperience. Ele também comandou um programa na Rádio 89.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Notícias sobre a região, Brasil e o mundo em um clique. Receba nossa newsletter