Orquestra Filarmônica de SB busca fundos para custear registro

Grupo independente precisa de até R$ 2 mil para fazer os serviços do cartório, e para isso está vendendo pizzas pré-assadas


A Orquestra Filarmônica de Santa Bárbara d’Oeste está arrecadando fundos para pagar os custos de registro do grupo independente como associação musical. Para isso, a equipe de músicos voluntários está realizando até vendas de pizzas pré-assadas. O objetivo do grupo é obter entre R$ 1,5 e R$ 2 mil, cuja verba será utilizada para fazer os serviços do cartório e formalizar o CNPJ (Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica)

A Filarmônica é composta por 32 músicos de Santa Bárbara e região, todos voluntários, que se reuniram a partir da iniciativa do maestro Tenicio Freitas há cerca de um ano. O maestro e fundador do grupo explica que a ideia do registro surgiu para que o grupo ampliasse suas atividades. “Hoje, tudo o que você vai fazer, em lugares maiores, não dá para tocar como pessoa física. Temos feito diversas apresentações por aqui, inclusive vamos tocar na Virada Cultural Paulista. Mas se quisermos ‘pensar grande’, precisamos estar preparados”.

Foto: Divulgação
A Filarmônica é composta por 32 músicos de Santa Bárbara e região, todos voluntários

Freitas conta que o grupo independente tentou obter apoio da Prefeitura por meio da Secretaria de Cultura e Turismo da cidade, quando ainda estava sob liderança do secretário Eide Froner. Entretanto, na ocasião, o retorno financeiro foi negado, devido a atual situação econômica do município.

Liberal Motors – BC

A reportagem questionou o atual secretário de Cultura e Turismo do município, Evandro Felix, sobre a possibilidade de apoio à Orquestra Filarmônica de Santa Bárbara. Felix afirmou que desconhecia as necessidades do grupo, mas que a pasta está aberta ao estudo de projetos estruturados da classe artística local.

“Não sei sobre o posicionamento anterior dado pela pasta, e acho difícil falar sobre isso porque ainda não foi feito nenhum contato comigo. A demanda nunca chegou para mim, talvez porque ainda seja bastante recente. Mas não está fora do meu ‘caderno’ avaliar a possibilidade da Prefeitura apoiar uma orquestra que leve o nome da cidade, do mesmo jeito que apoiamos a Orquestra Barbarense de Violas, por exemplo”, justificou.

O secretário ainda enfatizou que é necessário que os artistas se mantenham próximos da secretaria de Cultura e Turismo. “Venho criando metas para dar ainda mais visibilidade aos artistas locais dentro dos próprios canais da Prefeitura”, completou.