Mães também podem ir ao cinema

Iniciativa que acontece em Santa Bárbara d'Oeste reintegra mulheres no período pós-parto aos novos filmes em cartaz nos cinemas


A vida materna é o sonho de muitas mulheres, entretanto, quando este sonho vira realidade, surgem uma série de dificuldades. Uma das principais é o rompimento da vida social, uma vez que as mães têm diversas preocupações com os bebês e com elas mesmas neste período pós-parto.

Visando a reintegração social das mulheres, surgiu o projeto Cine Materna, que promove sessões de cinema para mães (pais também são bem-vindos) assistirem acompanhadas de seus bebês até 18 meses.

A iniciativa já acontece em mais de 40 cidades do País, em 17 estados, e será realizada pela primeira vez em Santa Bárbara d’Oeste, na sala do Moviecom, no Tivoli Shopping, nesta terça-feira, às 14h. As sessões serão realizadas mensalmente, sempre na segunda terça-feira do mês, no mesmo horário. Na estreia do projeto, será exibido o filme “A Bela e a Fera”, com entrada gratuita para as mães, seus bebês e um acompanhante.

Padovani Especial Pet – BC.1
Liberal Motors – BC

Foto: Divulgação
Cine Materna promove sessões de cinema para mães assistirem acompanhadas de seus bebês até 18 meses

Em entrevista ao LIBERAL, a fundadora do projeto, Irene Nagashima, contou que o Cine Materna surgiu de uma necessidade pessoal dela e de um grupo de mães.

“Sou ‘ultracinéfila’, vou de duas a três vezes por semana ao cinema. Estava com um bebê de cinco meses, meu filho mamava exclusivamente no peito, eu não tinha com quem deixá-lo, e desabafei com um grupo de mães pois não podia mais sair”, lembra.

A partir disso, ela e um grupo de amigas passaram a ‘invadir’ sessões de cinema, em um grupo de cerca de dez mulheres e bebês. Hoje, as sessões já ocorrem em mais de 100 cinemas do País, e os custos de deslocamento são viabilizados por patrocínios locais e de grande porte, como da Natura.

Meia luz. No Cine Materna, a sala fica à “meia luz”, existem trocadores instalados dentro da sala, estacionamento de carrinhos de bebês na porta da sessão, as mães podem circular livremente pela sala, o som é mais baixo, a temperatura do ar condicionado não é tão fria, e voluntárias são treinadas para auxiliar as mães que necessitarem de ajuda durante a sessão.

Foto: Divulgação
A iniciativa já acontece em mais de 40 cidades do País, em 17 estados, e será realizada pela primeira vez em Santa Bárbara d’Oeste

“Um choro ou outro no meio do filme é aceito sem problemas”, ressalta Irene. “Tudo é cuidado para a mãe vir com tranquilidade. O filme é para ela e bebês de até um ano e meio, pois até esta idade eles não prestam atenção, não se concentram a ponto de entender um filme, e ficam razoavelmente tranquilos”, explica a fundadora do projeto.

Irene observa que o projeto é uma boa ‘desculpa’ para a mulher sair de casa no período pós-parto. “É algo que parece tão simples, mas para as mães é muito complexo! O mais importante é que ela vai encontrar outras mulheres no mesmo momento de vida”.

Hoje, mães de dois filhos de 9 e 6 anos de idade, ela relembra que nesta fase, dos bebês recém-nascidos, muitas mulheres encontram-se sem companhias e “aprisionadas” em uma rotina 100% focada em suas crianças.

“É um momento em que a mulher está desesperada para fazer alguma coisa. Enquanto a mãe está de licença, a maioria dos pais está trabalhando. Muitas mulheres que são superativas, workaholics, se veem de repente sem saber direito o que está acontecendo, com um bebê que chora, que não fala! É angustiante. Chamamos as mães para elas poderem se reinserirem social, pararem de só irem ao pediatra e voltar para a casa”, conclui.

Acontece

O projeto Cine Materna exibe o filme “A Bela e a Fera” nesta terça-feira, às 14h. A entrada é gratuita. O Moviecom Tivoli Shopping fica na Avenida Santa Bárbara, 777, Vila Mollon. Informações pelo telefone 3458-7448.