‘Jornal da Globo’ volta a priorizar jornalismo em vez de opinião

Após afastamento de William Waack, que sempre expressava sua opinião, o jornal passa ao comando de Renata Lo Prete


A figura do âncora tem diversas formas de direcionar o conteúdo, o formato e a linguagem de um telejornal. O mais coerente é deixar os fatos do dia como as grandes estrelas do noticiário. Mas, quanto mais egocêntrico o profissional, mais pautado por suas opiniões e posturas ficam as notícias e o jornalístico como um todo.

No comando do “Jornal da Globo” nos últimos 12 anos, William Waack exagerou na parcialidade, na qual a ordem e importância das matérias ficavam a critério de seu tom pessimista. Profissional experiente com passagens por diversos veículos de prestígio, ele cobriu diversas guerras e conflitos internacionais, escreveu livros de teor político e, além de ser titular na produção global, ainda ganhou de “presente” o “Painel”, programa que apresentava na GloboNews desde o início dos anos 2000.

Foto: Rede Globo / Divulgação
A relação de Renata com a televisão começou pela GloboNews, onde se destacou no “Jornal das Dez”

Todo o currículo de Waack parecia dar espaço à sua opinião dentro da produção que fecha a cobertura jornalística diária da grade da emissora. Inclusive, nos bastidores comenta-se que a saída de sua parceira de bancada Christiane Pelajo era um desejo dele. O jornalista, entretanto, sucumbiu à própria prepotência.

No início do último mês de novembro, o operador de câmera Diego Pereira e o designer gráfico Robson Ramos, ambos já desligados da Globo, decidiram publicar um vídeo guardado desde as eleições americanas de 2016. Nas sequências, durante o intervalo da transmissão em frente à Casa Branca, em Washington, Waack conversa com o colega Paulo Sotero e se irrita com uma insistente buzina cujo barulho ecoa ao fundo. Contrariado, ele faz piadas e diz que a atitude era “coisa de preto”.

O vídeo causou uma comoção nas redes sociais e, em questão de horas, Waack acabou suspenso do “Jornal da Globo”. Na tentativa de explicar o ocorrido, apenas a emissora se pronunciou e, para tentar amenizar a situação, disse que o jornalista não lembrava direito do ocorrido no vídeo. A suspensão foi mantida, Waack permanece recluso em uma fazenda no interior de São Paulo e o jornalístico passou a ser comandando interinamente por Renata Lo Prete.

PRODUÇÃO
Especializada em política, a relação de Renata com a televisão começou pela GloboNews, onde se destacou no “Jornal das Dez” e nas transmissões especiais envolvendo as principais eleições ao redor do mundo. Integrante do time de substitutos eventuais de Waack no “Jornal da Globo” desde 2015, Renata tomou o jornalístico para si e, aos poucos, vem fazendo pequenas e importantes alterações na produção. Mesmo mais sisuda e analítica do que outras figuras femininas do telejornalismo da emissora, Renata conseguiu deixar o estúdio e cadência das matérias mais leves e sem tanta interferência editorial.

Sob o seu comando, o “Jornal da Globo” ganha em informação e dinâmica, reforçada pela ausência das caras, bocas e olheiras de Waack. A Globo ainda não decidiu o destino do jornalista. É certo que ele não volta mais ao noticiário e muito menos ao comando do programa da GloboNews – que agora é apresentado por Natuza Nery. Renata não é certeza na bancada em 2018, mas em pouco mais de um mês já recolocou a notícia como principal estrela do “Jornal da Globo”, onde outras figuras femininas e igualmente sisudas se destacaram no passado, como Lilian Witte Fibe e Ana Paula Padrão.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora

Receba nossa newsletter!