Carmo Dalla Vecchia: humanidade exposta na trama

Ator utiliza filosofia Budista para viver o sonhador Rafael de “Malhação – Vidas Brasileiras”


Carmo Dalla Vecchia lida bem com os caminhos que o guiam a um novo trabalho na tevê. Ele até tenta direcionar sua carreira aos tipos de papéis que gostaria de viver, mas a última palavra é sempre da Globo. Longe do vídeo há quase três anos, Carmo já sabia que voltaria ao ar em 2018, a dúvida era em qual produção.

Inicialmente, ele retornaria para viver um papel de destaque no próximo folhetim das nove de Aguinaldo Silva, mas a novela foi adiada. Logo depois, foi escalado para ser o vilão de “Orgulho e Paixão”, mas o perfil do personagem mudou. Por fim, o elenco de “Malhação – Vidas Brasileiras” estava precisando de um ator para um de seus papéis principais. Carmo acabou sendo escolhido para interpretar o idealista Rafael, fundador da ONG Percurso, núcleo importante da trama assinada por Patrícia Moretzsohn.

Foto: Jorge Rodrigues Jorge-Carta Z Notícias
Carmo Dalla Vecchia

Assim que começou as leituras do texto, Carmo logo se identificou com o viés humanitário do personagem. Adepto do budismo, ele viu muito da filosofia nas cenas de Rafael. “Meu personagem é um defensor das minorias e agora trabalha para oferecer melhores condições de vida para os jovens que vivem nas ruas. No entanto, ele não mantém uma relação boa com o próprio filho”, conta.

Sem se apoiar em “laboratórios” ou processos de composição mais complexos, Carmo criou o personagem a partir de seu poder de observação e do “workshop” promovido pela Globo com um grupo de profissionais da educação.

INTEGRAÇÃO

Outra parte importante do período de preparação foi a integração com os atores jovens escolhidos para a temporada. Sob coordenação da preparadora de elenco Cris Moura e da diretora Natalia Grimberg, novatos e veteranos tiveram de se conhecer melhor antes do início das gravações. O contato com esse “sangue novo” tocou o ator de forma diferente e o fez relembrar de “Chiquititas”, produção exibida pelo SBT no final dos anos 1990, onde Carmo viveu o galã Rian.

O perfil musical de “Malhação – Vidas Brasileiras” é outro ponto de muito interesse para o ator, que é fã de musicais, toca guitarra e está tendo aulas de piano. “Adoro esse clima meio ‘Glee’ dessa temporada. Fico impressionado com o talento do elenco. Me coloquei à disposição para cantar, tocar instrumentos ou dançar. O que vier, está valendo”, vibra.

Gaúcho da pequena Carazinho, Carmo tinha apenas 20 anos quando começou a investir na carreira de modelo. Em busca por novas oportunidades, trocou a pacata vida no Sul do país pelo agitado Rio de Janeiro e se descobriu nas Artes Cênicas.

A primeira experiência na tevê foi na elogiada “Engraçadinha… Seus Amores e Seus Pecados”, de 1995. Após a estreia, trabalhou em produções da Record, Band e SBT até se fixar na Globo, onde assinou um contrato ao se destacar em “Cobras & Lagartos”, trama de 2006. Na sequência, Carmo participou de sucessos como “A Favorita”, “Cordel Encantado” e “Império”. Geraldo Bessa_TV Press

Nos palcos durante as folgas

Sempre que consegue uma folga da tevê, Carmo Dalla Vecchia corre para o teatro. Nos dois anos em que ficou distante do vídeo, ele participou de dois projetos, a tragédia “Caesar – Como Construir um Império”, e o musical “Forever Young”. “No teatro, consigo escolher melhor os papéis e ampliar um pouco o meu repertório como ator”, acredita.

Comprometido com “Malhação – Vidas Brasileiras” até o ano que vem, o ator negocia com a direção folgas para continuar nos palcos ao longo de 2018. Ainda no primeiro semestre, ele estará na versão teatral de “1984”, texto clássico de George Orwell. E, a partir de agosto, volta aos musicais com “Aurora”, do diretor Roberto Alvim.

“São dois trabalhos que eu quero muito fazer. Já adiei muitas coisas por causa da televisão, respeito meu contrato, mas acho que é possível conciliar essas duas paixões”, ressalta.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora

Receba nossa newsletter!