Bruna Marquezine explora novos caminhos na TV

Atriz celebra dar vida a Catarina, sua primeira vilã em “Deus Salve o Rei”


Quem vê a firmeza em cena ou em entrevistas, esquece facilmente que Bruna Marquezine tem apenas 22 anos. Dona de carisma invejável e com discurso maduro para sua idade, a atriz passa por cima de qualquer crítica e se diz apaixonada por seu trabalho. No ar como a princesa Catarina em “Deus Salve o Rei”, ela encara sua primeira vilã na tevê. “Nunca achei que fosse tão difícil e exaustivo”, desabafa, mas sem deixar de mostrar um sorriso de satisfação.

Com um currículo que mistura mocinhas frágeis e mulheres decididas – como a Lurdinha, de “Salve Jorge”, a Luiza, de “Em Família”, e a Marizete, de “I Love Paraisópolis” – Bruna afirma que tem sido uma ótima oportunidade de explorar novas facetas e fugir de uma possível zona de conforto. “Cada dia é uma conquista, é uma prova que consegui, e acredito que estou indo pelo caminho certo”, acredita.

Foto: Jorge Rodrigues Jorge / Carta Z Notícias
Apesar de interpretar uma princesa, ela garante que nunca sonhou em ser da realeza

Dar vida à uma vilã é uma tarefa complicada. Mas, segundo Bruna, por a antagonista ser de época, o trabalho é dobrado. Por isso, o trabalho de composição para “Deus Salve o Rei” foi feito com enorme atenção. “Estudei muito. O período é uma realidade totalmente distante da nossa e que a gente precisa mergulhar completamente para o público acreditar”, opina.

Explorar todas as nuances de Catarina também está sendo um processo delicado para Bruna. A princesa de Artena vai além da vilania, ela é calculista e precisa para conseguir o que quer. “Com cada personagem ela tem uma postura diferente. É muito dissimulada. E isso é muito rico para mim, porque posso interpretar diferentes Catarinas ao longo da novela”, celebra ela, que afirma que a personagem foi mudando durante os meses de sua exibição.

“Estou descobrindo quem é ela no processo. Adaptando todos os detalhes”, diz. Insegura no início do folhetim – até porque recebeu uma enxurrada de críticas por seu jeito de falar –, a atriz garante que hoje já enxerga o papel de forma completamente diferente.

Bruna ainda encontrou outro agravante para a dificuldade de segurar o posto de antagonista de “Deus Salve o Rei”. Na maioria das novelas, o figurino e a cenografia são peças fundamentais para que o ator “encontre” seu personagem. No entanto, a atriz só pode contar com o figurino monocromático de Catarina. Isso porque a maior parte das suas cenas é feita na frente de um “chroma key”, que dá lugar a castelos e paisagens maravilhosas depois de receber efeitos especiais.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora

Receba nossa newsletter!