‘As pessoas da minha geração são as que mais sofrem’

Teresa Morais Villaverde Cabral, ou simplesmente Teresa Villaverde, como assina seus filmes, tornou-se conhecida com Três Irmãos, de 1994, com…


Teresa Morais Villaverde Cabral, ou simplesmente Teresa Villaverde, como assina seus filmes, tornou-se conhecida com Três Irmãos, de 1994, com Maria de Medeiros, Laura del Sol, Luiz Miguel Cintra e o russo Yevgeny Sidikhin. Maria foi melhor atriz em Veneza – Taça Volpi – pelo papel. Teresa dirigiu depois Os Mutantes, Transe, As Pontes de Sarajevo.

Seus filmes possuem todos a mesma pegada – vidas tristes, desoladas. Numa entrevista por telefone, de Lisboa, Teresa disse que não fez Colo para discutir o que é certo ou errado, na vida das pessoas e das famílias. O que ela quis foi dar seu testemunho.

“Nossa economia melhorou um pouco, mas os jovens que se formam ainda tem dificuldade para conseguir emprego. E a situação é muito pior para pessoas na faixa dos 40, 50 anos – tenho 51 -, porque com essas o mercado é cruel. As pessoas que veem Colo não me dizem que é a história delas, talvez por vergonha, mas todo mundo conhece alguém assim. Mas eu não quero passar um sentimento de derrota.”

A diretora acrescenta que Portugal é um país muito bonito, e caloroso. “Muita gente, inclusive aí do Brasil, vem para cá para construir a vida, e consegue. O que me preocupa é a minha geração. Bem ou mal, faço meus filmes. O importante é refletir.”

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora

Receba nossa newsletter!