Artistas da região para além da fronteira

Artistas locais ganham destaque em eventos no exterior e contam suas experiências em diversos países pelo mundo


Todo artista compartilha um desejo em comum: levar seu trabalho para o maior número de pessoas possível. E alguns artistas de Americana têm conquistado esse objetivo, carimbando seus passaportes em diversos países. O LIBERAL conversou com artistas da cidade que obtiveram conquistas no exterior nos últimos meses.

A dupla de bailarinos Eliana Favarelli e Reginaldo Sama segue acumulando prêmios no exterior. Depois de conquistas na Espanha e República Tcheca, e participação em diversos outros eventos internacionais, agora eles celebram a conquista do terceiro lugar no Danzamerica Festival Latino de Dança 2016, realizado em Córdoba, na Argentina, em setembro. “É disputadíssimo, pois é um festival de alto nível. Lá estavam bailarinos profissionais do México, Paraguai, Uruguai, Argentina, Chile, Equador, Bolívia, Colômbia, Cuba, Costa Rica e Panamá”, conta Eliana. A dupla foi eleita com a coreografia “Um Grande Amor Não Acaba Assim”, na categoria duo estilo livre-master, e em duo estilo-profissional.

Foto: Arquivo pessoal
O percussionista foi convidado para tocar em um festival de música instrumental no Peru

Quem também teve bom desempenho em um país Latino-Americano foi o percussionista Rodrigo Mouraes, convidado para participar do festival Sonamos Latinoamerica Cusco, no Peru. Ele foi acompanhado por seu quarteto e apresentou uma seleção de música instrumental brasileira. “Eles gostam e conhecem a música brasileira. Quando tocávamos, éramos sempre muito bem recebidos. Nosso repertório foi bastante absorvido pelo público”, lembra Mouraes. O percussionista destaca que a participação no evento peruano já trouxe oportunidades para futuras atividades no Chile, Argentina e no México.

Juliana Santos já é conhecida no velho continente Europeu. No último mês de setembro, ela foi convidada para expor suas obras, que transformam resíduos recicláveis em arte, no Festival Internacional de Arte Para o Meio Ambiente, o Riscarti. O evento ocorre em Roma, na Itália, e convidou a artista pelo segundo ano consecutivo. Junto a ela, artistas da França, Espanha, Grécia, Eslovênia, Holanda, Turquia e Alemanha expuseram seus trabalhos sustentáveis.

A fotógrafa Rosy Jesus Vaz também conquistou a oportunidade de expor na Europa. Após ser selecionada para participar de uma exposição em Nova York, “Art in Box 3 – NY Edition”, ela foi procurada pela curadora Marcia Vinhas, que propôs a exposição em Portugal, junto a 25 outros artistas. Ela participou da exposição “Claustro em Cores”, em Chaves, Portugal, realizando inclusive a performance de abertura do evento, batizada “Vínculos e Desvínculos”. Na ocasião, o público pode conferir as obras “Miscigenação” e “Hierarquia”. “As imagens são impressas em tecidos leves, como seda, dando-lhes movimentos, o que se relaciona com o gingado afro. O suporte é varal de sisal usado para pendurá-las lado a lado, remetendo ao quintal da casa. Os tamanhos são desiguais explorando a heterogeneidade que vivemos”, explica a artista.