Prefeitura cobra R$ 600 mil de ex-prefeito por obras em Fórum

Supostas irregularidades nas obras de ampliação e reforma do prédio são apontadas pela atual administração de Sumaré


Foto: Arquivo/O Liberal
Bacchim, ex-prefeito de Sumaré, disse que ainda não foi notificado

A Prefeitura de Sumaré ingressou uma ação na Justiça contra o ex-prefeito José Antonio Bacchim (PT), em razão de supostas irregularidades nas obras de ampliação e reforma do prédio do Fórum. Também foram denunciadas a empresa que fez o serviço e uma servidora responsável pela fiscalização dos trabalhos. No processo, o Executivo pede a devolução de cerca de R$ 600 mil aos cofres públicos.

A administração processou os envolvidos por improbidade administrativa, no último dia 4. A acusação aponta que a empresa Ecofer Construtora e Comércio Ltda. executou “mal” a obra, realizou serviços “inadequados” e fora das normas técnicas e deixou de fazer outros trabalhos. A empresa foi contratada pela prefeitura em 2009.

A situação teria obrigado a prefeitura a contratar outra empresa para que fizesse a correção dos problemas. No entanto, em 2013, um relatório da CPOS (Companhia Paulista de Obras e Serviços) indicou que as instalações elétricas estavam em desacordo com as normas técnicas.

Diante disso, o Executivo providenciou novo processo licitatório para a elaboração de um projeto de adequações das instalações elétricas. Após a conclusão do plano, a municipalidade contratou outra empresa para executar os serviços. A acusação calcula que houve prejuízo de cerca de R$ 600 mil.

Na ação, a atual gestão critica o fato de que, apesar dos problemas, Bacchim teria assinado uma rescisão amigável com a Ecofer. A prefeitura também acusa a servidora Mírian Cecília Lara Netto, responsável pela fiscalização da obra, de ter agido de maneira “desidiosa”.

OUTRO LADO
Bacchim e o sócio-administrador da empresa, Cláudio Roberto Ferreira, afirmaram que ainda não foram notificados pela Justiça sobre o processo. “Vou me pronunciar, me defender, assim que for notificado”, disse o ex-prefeito. “Vou aguardar ser notificado para tomar as providências”, afirmou Ferreira.

Mírian contou que pediu cópia do processo à Justiça para se “inteirar” do assunto. “Tenho 25 anos como funcionária da prefeitura e nunca tive problema com obra, com processo. Vamos ver o que é. Tenho a consciência limpa. Foi feito tudo de acordo com o próprio Estado”, declarou.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora

Receba nossa newsletter!