Ventiladores estão quebrados em 40 escolas municipais de Santa Bárbara

Em 40 das 47 escolas municipais, os ventiladores que deveriam ajudar a refrescar as salas de aula estão quebrados


Com a temperatura na casa dos 30°C os alunos de Santa Bárbara d’Oeste estão disputando as carteiras mais próximas da janela. Isto porque em 40 das 47 escolas municipais, os ventiladores que deveriam ajudar a refrescar as salas de aula estão quebrados.

Entre os danos estão queima de motores e hélices quebradas. O problema foi admitido pela prefeitura em resposta a um requerimento do vereador José Luis Fornasari, o Joi (SD). A reportagem do LIBERAL percorreu na tarde desta segunda-feira diversas escolas na região do Conjunto Habitacional Roberto Romano, Jardim Europa, Jardim Esmeralda e Centro e reparou ventiladores desligados, cortinas enroladas e jogadas para fora, além de crianças procurando se refrescar nas áreas de jardins e sombra.

Foto: Marcelo Rocha / O Liberal
Ventiladores estão com motores queimados e hélices quebradas

“As queixas que mais recebemos são justamente do calor. Professoras, diretoras que não podem se identificar por medo de perseguição, nos contam que dentro de sala de aula o calor fica alto e prejudica o aprendizado, a concentração e até a forma com que as profissionais conseguem segurar a turma”, contou o vereador. “Isso nos preocupa muito porque pelo que as servidoras relatam sempre recebem uma resposta da Secretaria da Educação de que não há verba para o momento”, pontuou Joi.

Fazem parte da lista de escolas com ventiladores quebrados creches, escolas de ensino fundamental e médio, além de Cieps (Centros Integrados de Educação Pública). Questionada nesta segunda-feira sobre a situação, a Prefeitura de Santa Bárbara não se manifestou.

Membro da APM (Associação de Pais e Mestres) da escola Dr. Euvaldo de Queiroz Dias, no Jardim Esmeralda, a dona de casa Milene Angiole conta que na sala de seu sobrinho um dos ventiladores estava estragado. “O que temos notícia é que um pai trocou o ventilador por conta própria, porque o dinheiro das associações não está vindo”, afirmou ao LIBERAL. “A impressão é de que não há uma organização de cronograma para realizar estas manutenções. Agora mesmo estamos pensando em realizar uma venda de pizza beneficente para comprar tintas para pintar a escola”, lamentou.

PROJETO
A Prefeitura de Santa Bárbara d’Oeste tenta aprovar na câmara um projeto que deverá reduzir os repasses para as Associações de Pais e Mestres em 42% e alterará o regime de pagamentos para anual, em vez de trimestral, como vigora atualmente.

A verba havia sido uma solução dada pelo próprio prefeito Denis Andia (PV) para driblar a burocracia das licitações e repassar às associações a autonomia financeira para contratar pequenos consertos e materiais de escritório. A crise financeira, no entanto, fez a administração repensar a mudança.

Notícias sobre a região, Brasil e o mundo em um clique. Receba nossa newsletter