PDV proporciona economia anual de R$ 6 milhões para S.Bárbara

De acordo com a administração, os benefícios concedidos aos trabalhadores que aderiram custaram R$ 460 mil


O PDV (Plano de Demissão Voluntária) aberto no início de fevereiro pela Prefeitura de Santa Bárbara d’Oeste teve 125 adesões entre servidores concursados da prefeitura e também do DAE (Departamento de Água e Esgoto) do município. O período de adesão foi concluído em 4 de maio. O número, de acordo com informações da administração municipal, corresponde a economia anual de R$ 6 milhões com salários e benefícios.

A medida foi adotada como forma de economia pelo governo Denis Andia (PV). Na ocasião da aprovação, o secretário de Governo, Rodrigo Maiello, afirmou que o programa foi aberto após pedido de vários servidores de diversas áreas.

Foto: Arquivo - O Liberal
Implantação do PDV no Executivo de Santa Bárbara surtiu o efeito necessário, de acordo com o Executivo

Apesar das solicitações, a prefeitura não tinha uma expectativa de quantos iriam aderir. Segundo secretário, em outro PDV, realizado em 2015 a funcionários próximos da aposentadoria, 35 se demitiram, e se esse número fosse alcançado neste ano, já seria satisfatório para trazer alívio aos cofres públicos.

Liberal Motors – BC

Ao se desligarem da prefeitura por meio do PDV, os funcionários receberam benefícios, como férias vencidas e não gozadas, férias proporcionais e 13º salário proporcional ao número de meses decorridos até a data da exoneração, além de uma verba indenizatória de incentivo, que vai do dobro do salário até os vencimentos multiplicados por seis, conforme o tempo de serviço. De acordo com a prefeitura, os benefícios concedidos aos trabalhadores que aderiram custaram, ao todo, R$ 460 mil.

O PDV foi uma das ações adotadas pela prefeitura de Santa Bárbara para tentar diminuir gastos e aumentar arrecadação. Isto porque o município estava inadequado à LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal), que prevê que os gastos mensais da prefeitura com a folha de pagamento não ultrapassem 54% do total. Essa situação, inclusive, estava barrando contratações de aprovados em concursos, e impedindo a abertura de duas UBSs (Unidades Básicas de Saúde) prontas por falta de equipe.