Região espera receber R$ 155,3 milhões de IPVA

Até o mês passado, a Região do Polo Têxtil havia recebido do governo estadual R$ 134,7 milhões referentes ao repasse do imposto


Foto: Arquivo / O Liberal
Fazenda comunicou que preço aos motoristas deve cair 4,8% no próximo ano

Para o ano que vem, a RPT (Região do Polo Têxtil) espera receber de IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores) cerca de R$ 155,3 milhões em doze parcelas. O valor corresponde à metade do arrecado pelo governo estadual, descontado as destinações constitucionais. Este ano, por exemplo, a região já recebeu R$ 134,7 milhões entre janeiro e outubro, recursos que devem ser investidos em obras de infraestrutura e melhoria na prestação de serviços públicos como os de saúde e educação.

Cresceram para o ano que vem as expectativas de Americana, Hortolândia e Santa Bárbara d’Oeste pela arrecadação. Enquanto em 2016 Americana já recebeu R$ 49,5 mi, em 2017 a prefeitura espera R$ 61,4 mi, uma alta – se cumprida as expectativas para as duas últimas parcelas deste ano – de pouco mais de 15%. Já Hortolândia disse aguardar receber até dezembro R$ 22 mi e no ano que vem, R$ 23,2 mi, um incremento de pouco menos de 6% na arrecadação. Santa Bárbara d’Oeste vai na mesma linha, esperando R$ 23,6 mi em repasses, 7% a mais do que estimado neste ano.

A assessoria de imprensa de Nova Odessa, por outro lado, informou que a cidade espera ficar “no zero a zero” em 2017 e fechar a arrecadação em R$ 9,5 mi, mesmo valor estimado até o final deste ano. Até o mês de outubro, Nova Odessa já havia recebido um total de R$ 8,9 mi da Fazenda.

Já a prefeitura de Sumaré, não informou a previsão de arrecadação com IPVA para o ano que vem. Até o momento, o montante recebido pelo município em 2016 é de R$ 35,7 mi. Entre 2014 e 2015, a cidade previu crescimento de 7% na arrecadação. Se repetida a estatística, no ano que vem Sumaré deve contar com ao menos R$ 37,6 mi.

Mais barato
Nesta quarta-feira a Secretaria de Fazenda divulgou aos contribuintes as datas de vencimento das três parcelas possíveis do imposto, além de informar uma redução nos preços em 4,8%, índice relativo a desvalorização natural dos veículos. “O levantamento, baseado nos valores de mercado de setembro de 2016, identificou maior queda de preços de venda para caminhões usados, que apresentaram recuo de 7,9%. Os utilitários tiveram redução de 5,4%, seguidos dos automóveis e ônibus e micro-ônibus, com redução de 5,3%. Os preços de venda de motocicletas fecharam 2,9% abaixo do valor apurado no ano anterior”, traz comunicado. O vencimento das parcelas foi programado a partir do número final das placas, variando entre os dias 9 e 22, dos meses de janeiro, fevereiro e março.