Manifestações à CGU já superam o total de 2016

Dados estão disponíveis na ferramenta ‘Painel Municípios’, que tem o objetivo de apoiar gestão municipal e estimular exercício do controle social


O número de manifestações recebidas pela Ouvidoria da CGU (Controladoria-Geral da União) originadas nas cidades que compõem a RPT (Região do Polo Têxtil) e registradas no primeiro semestre de 2017 já supera o total do ano passado. Elas correspondem a denúncias, reclamações, elogios, sugestões e solicitações – que são mais da metade do total.

Os dados estão disponíveis na nova ferramenta da CGU chamada “Painel Municípios”, que tem o objetivo de apoiar a gestão municipal e estimular o exercício do controle social.

Segundo o levantamento, em 2016, foram feitas 116 manifestações, e o número em 2017 já chega a 122. A Ouvidoria só foi implantada no final de 2015, portanto, desta forma, os números daquele ano não são consolidados. As manifestações, segundo informações da CGU, têm relação com a prestação de serviços públicos por parte dos órgãos do governo federal, desde educação, passando por agropecuária, previdência social, administração, entre outros.

Foto: Captura de tela
Em âmbito regional, assim como em cada cidade, as reclamações são as líderes na estatística: foram 64 em 2017

Em âmbito regional, assim como em cada cidade, as reclamações são as líderes na estatística: foram 64 em 2017. Em segundo lugar aparecem as solicitações, que totalizam 33, seguidas de 22 denúncias, três sugestões e nenhum elogio. Hortolândia é a líder de manifestações na Ouvidoria, com 50 em 2017. Americana emitiu 41, seguida de Sumaré, com 37, Santa Bárbara d’Oeste, com 31 e Nova Odessa, com 11.

Consciência

Na análise da ouvidora-geral adjunta da União, Marlene Alves de Albuquerque, o aumento no número de manifestações – que ocorre em todo o país – tem relação ao fato de a população estar mais consciente de seus direitos e também ao aumento nas demandas por serviços públicos.

“A meu ver, a cada dia, os cidadãos estão cada vez mais conscientes e cobrando seus direitos. Ao mesmo tempo, os canais também estão aumentando, então ele procura seus direitos. E aqui (na CGU) ele recebe resposta de sua manifestação. E a manifestação dele é primordial para a melhora dos serviços públicos. Ele (cidadão) é o beneficiário. É ele que sabe se aquela política está melhorando a vida dele ou não”, afirmou a ouvidora.

Marlene explicou ainda que as ouvidorias estão se consolidando cada vez mais em vários setores, porque fazem um elo entre os gestores e a população. “As reclamações são voltadas a manifestação do serviço público em si. As solicitações, por exemplo, estão muito relacionadas a providências que a população quer que a administração tome”, disse. A Ouvidoria da CGU pode ser acessada pelo site http://ouvidoria.gov.br.