Clientes da região buscam tarifa branca para reduzir conta de luz

Mudança pode ser solicitada pelos consumidores que gastam, em média, 500 kw/h por mês; tarifa cobrada muda de acordo com o horário de consumo


Foto: Marcelo Rocha / O Liberal
Ione Aparecida gasta com aparelho para a filha

A partir deste ano, os consumidores poderão optar por uma nova forma de calcular a conta de energia elétrica. A tarifa branca, que passou a valer nesta segunda-feira, já atrai a atenção de consumidores da RPT (Região do Polo Têxtil) em busca da economia para o bolso.

A dona de casa Ione Aparecida do Carmo Silveira gasta, em média, R$ 300 por mês com a conta de luz. Boa parte do consumo está relacionado a um aparelho concentrador que a filha Thainá precisa – a jovem de 21 anos possui paralisia cerebral e utiliza o aparelho 24 horas por dia para respirar. “Para diminuir a conta evitamos ligar o micro-ondas, não usamos o bebedouro na tomada, não deixamos luzes acesas à toa”, contou a dona de casa.

Foto: Marcelo Rocha / O Liberal
Comerciante desembolsa R$ 800 ao mês

O comerciante Luciano Silva Alves, que tem uma padaria na Vila Mathiensen, contou que gasta entre R$ 700 e R$ 800 por mês na conta de luz. “Vou procurar para ver se vale a pena, porque pesa bastante no bolso. Já troquei o freezer por um modelo que gasta menos e deixei de vender gelo porque não compensava o custo com eletricidade”, disse.

A mudança para tarifa branca pode ser solicitada por aqueles que tenham um consumo médio mensal de 500 kw/h. No ano que vem o gasto mínimo para pedir a tarifa será de 250 kw/h, e em 2020 será aberto para toda a população. Os chamados consumidores de grandes potências, como indústrias, já contam com sistema semelhante de tarifa.

O consumidor da região paga atualmente R$ 0,40 por kw/h. Com a tarifa branca, será cobrado R$ 0,68 no horário de ponta, aquele com maior consumo – das 18 às 21 horas. Nos horários intermediários, o valor será de R$ 0,45 – os períodos são das 17 às 18h e das 21 às 22 horas. Nos demais horários e aos finais de semana, a tarifa vai cair para R$ 0,34.

“Com todos os consumidores utilizando o sistema quase no mesmo horário, a distribuidora tem que fazer mais investimentos para ter uma rede mais robusta e atender essa grande demanda em um único horário. O objetivo da tarifa branca é que ocorra um uso racional ao longo do dia”, disse o gerente de Regulação Econômica da CPFL, Márcio Roberto.

O professor de Sistemas Energéticos da Faculdade de Engenharia Mecânica da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), Gilberto de Martino Jannuzzi, disse que com esse modelo as concessionárias transmitem para o consumidor o custo real da eletricidade. “A ideia é bastante interessante para aproveitar o sistema elétrico, mas o consumidor de baixa tensão tem que fazer as contas. Nem todo mundo consegue modular seu consumo de acordo com o horário que representa uma conta menor”, explicou.

Foto: Editoria de arte / O Liberal
Entenda como funciona a tarifa branca

ORIENTAÇÕES PARA REDUZIR GASTOS

Com o início do Verão e a temporada de calor, a tendência é de maior consumo de energia elétrica e consequente gasto nas contas. O uso de ar-condicionado, ventiladores e aumento na potência da geladeira são os principais motivos dos maiores gastos. A CPFL Energia informou que medidas simples podem amenizar o aumento no consumo.

Além de diminuir o tempo no banho, outras medidas que ajudam a reduzir o consumo dos chuveiros são a limpeza periódica dos orifícios de saída de água e nunca reaproveitar resistências queimadas. Segundo a CPFL, isso aumenta o gasto e também coloca em risco a segurança.

A concessionária orienta a instalação da geladeira em local bem ventilado, desencostada de paredes ou móveis, longe de fontes de calor. Além disso, manter a porta aberta por muito tempo e deixar as borrachas de vedação perderem a qualidade também aumentam o consumo. Para diminuir o consumo do ar-condicionado, a dica é manter os filtros limpos.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora

Receba nossa newsletter!