Alta nas exportações anima empresários

Região do Polo Têxtil teve crescimento de 40% nas vendas para o exterior em um ano


O resultado da balança comercial de setembro trouxe boas notícias para os industriários da RPT (Região do Polo Têxtil). Comparado com o mesmo mês em 2016, as exportações dos produtos regionais subiram 40%. As importações também tiveram um significativo avanço, de aproximadamente 14%.

Impulsionou este número o comércio de pneus, além de automóveis completos, peças e acessórios para países vizinhos, na América do Sul. Já em relação às importações, dominaram as chegadas a RPT os componentes eletrônicos e materiais elétricos, produzidos nos países asiáticos.

O diretor do Ciesp (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo) de Santa Bárbara d’Oeste e responsável pela macrorregião, Nivaldo José da Silva, diz que este é um sinal claro de retomada da economia.

“É um resultado positivo, que também temos visto na abertura de novos postos de emprego. O comércio exterior vem ajudando a região e o País a saírem da crise e tem deixado os empresários mais motivados”, comentou.

Para os economistas do Ciesp, o pior já passou, segundo ele. “O Ciesp tem sido o canal de divulgação para os empresários da região do programa federal Peiex [Projeto Extensão Industrial Exportadora], que é justamente a oferta de um profissional para auxiliar os pequenos e médios empresários a montarem seus catálogos em inglês, espanhol e também a participar de feiras para estimular este tipo de comércio”, explicou Nivaldo.

Foto: Arquivo / O Liberal
Exportações de pneus impulsionaram os resultados da balança comercial no mês passado

RESULTADOS

Duas cidades da região, Santa Bárbara d’Oeste e Hortolândia, registraram em setembro o maior volume de exportações do ano. Comparado com o mesmo mês do ano passado, o crescimento destes montantes foi de 152% e 132%, respectivamente. Nova Odessa também teve um avanço expressivo de suas importações em setembro, na ordem dos 70%.

“Isso vem de encontro justamente com nossos novos projetos. Neste mês ainda, estamos organizando um curso para os pequenos empresários da cidade, propondo uniões a fim de torná-los mais competitivos no mercado internacional”, declarou o secretário de Desenvolvimento de Nova Odessa, Elvis Garcia. “Para 2018 acredito que Nova Odessa estará aquecida principalmente no ramo de comércio de peças para montadoras automotivas”, comentou.

Apesar dos avanços regionais, o saldo acumulado em 2017, entre importações e exportações ainda é próximo dos R$ 680 milhões negativo na RPT. Americana sozinha acumula quase R$ 123 milhões de diferença nesta balança.

“Este é um cenário que não vamos conseguir reverter até o final do ano, mas o importante é que estamos olhando para frente e estes sinais mostram que os investidores e o mercado têm desassociado a crise política da economia”, finalizou o diretor da Ciesp.

Notícias sobre a região, Brasil e o mundo em um clique. Receba nossa newsletter