Familiares de Kaleb prestam depoimento à CEI da câmara

Bebê morreu em abril no Hospital Municipal de Nova Odessa após a mãe ter procurado a unidade de saúde por três vezes


Foto: Câmara de Nova Odessa / Divulgação
Comissão começou ouvir familiares do bebê para apurar causas da morte

A CEI (Comissão Especial de Inquérito) da Saúde da Câmara de Nova Odessa ouviu, nesta quarta-feira, os familiares de Kaleb Henrique Garcia Silva, recém-nascido que morreu em abril no Hospital Municipal Dr. Acílio Carreon Garcia após a mãe ter procurado a unidade de saúde por três vezes. Após as declarações dos pais e da avó da criança, a comissão decidiu por convidar novos profissionais da saúde para prestar esclarecimentos. Até então, apenas médicos envolvidos no caso seriam ouvidos.

“Se tivessem aberto a CEI na época que o Kaleb morreu, como a gente tinha pedido, talvez três vidas teriam sido poupadas”, afirmou a faxineira Marta Timóteo da Silva Bento, avó da criança, que esteve na câmara em maio para cobrar investigações. À época, contudo, não houve assinaturas suficientes para instaurar a comissão. Os depoimentos prestados à CEI nesta quarta não foram abertos à imprensa, mas a reportagem conversou com os familiares após a reunião.

O pai de Kaleb, o vendedor Robson Garcia Silva Lopes, contou que a família está na expectativa do esclarecimento da morte do bebê através da investigação feita pela comissão. “A gente quer que provem o erro dos médicos. É como se nós fôssemos mentirosos, como se a gente tivesse errado, não tivéssemos feito o tratamento correto para ter o bebê com a gente. Se é em uma empresa, você erra em uma máquina, volta e faz de novo. Mas em um hospital, o médico não pode errar, senão a pessoa morre”, declarou. Além dos familiares, o vereador Cláudio José Schooder, o Leitinho (PDT), pediu para que seu depoimento, previsto para quinta-feira, fosse adiantado e ele se pronunciou nesta quarta, na condição de um dos denunciantes.

De acordo com a assessoria de imprensa da câmara, após os depoimentos da família de Kaleb, a comissão decidiu por convidar outros profissionais que prestaram atendimento, como enfermeiros e técnicos, para sanar outras dúvidas. A CEI, que investiga ainda outras três mortes ocorridas este ano no Hospital Municipal, deve ouvir, nesta quinta-feira, o secretário de Saúde, Vanderlei Cocato; os diretores clínico e técnico; o coordenador de enfermagem, o presidente da Comissão de Ética, e a presidente da Comissão Processante Disciplinar do Município. Amanhã, serão ouvidos os médicos que prestaram atendimento aos pacientes.