Parceria com universidades garante inserção no mercado

Prefeitura de Hortolândia busca trazer cursos de Educação à Distância e graduação continuada ao município


O secretário de Educação, Ciência e Tecnologia de Hortolândia, Fernando Moraes, afirma que a prefeitura tem buscado vincular parcerias com as universidades existentes na cidade e também com outras universidades para trazer cursos de EAD (Educação à Distância) e graduação continuada ao município. “Além disso, Hortolândia tem um perfil interessante que é o seu campo tecnológico significativo. Tenho conversado com essas empresas para que elas tragam suas experiências para melhorar nossas ferramentas de educação no município”, reforçou.

Segundo o secretário, o objetivo de todas essas mudanças é mudar o olhar da sociedade “Queremos mudar o fato das pessoas olharem para quem usa os equipamentos públicos, como a creche ou a escola, como quem está em uma situação vulnerável”, disse. “Que a gente consiga, desde o ensino básico, formar esse jovem hortolandense para que, no mundo adulto, ele seja contemplado por esse mercado da cidade. Esse processo começa desde a infância. É um desafio”, finalizou.

Foto: João Carlos Nascimento / O Liberal
Campo tecnológico fixado na cidade garante interesse de empresas e universidades

A modernização de Hortolândia não é sentida apenas na Educação: a chegada de novas empresas, lojas e indústrias fizeram o desenvolvimento econômico da cidade disparar nos últimos anos. De acordo com a Aciah (Associação Comercial, Industrial e Agropecuária de Hortolândia), o município conta, atualmente, com 6.691 empresas, sendo 576 no setor de indústrias, 2.365 no setor de comércio, 514 no setor de construção civil, 3.201 prestadores de serviços, 35 no setor agropecuário e 9.712 MEIs (microempreendedores individuais).

“Devido à sua localização privilegiada, várias empresas vieram para a cidade no começo dos anos 2000”, lembrou Almir Julio Grizante, presidente da Aciah. Logo em seguida, vieram as grandes lojas de varejo e, mais recentemente, a instalação do Shopping Hortolândia. “Tudo isso faz com que a população consuma dentro da própria cidade”, apontou.

Devido a crise econômica, que afetou todo o Brasil, Hortolândia contabilizou alguns números negativos: nos dois últimos anos, a cidade perdeu 2.605 vagas de trabalho, um índice inédito, afirmou Grizante. Mesmo assim, o setor econômico vê com otimismo o segundo semestre de 2017. “Neste momento, orientamos aos empresários que busquem capacitação em inovações para trazer diferencial para o seu negócio”, orientou.

Segundo Grizante, o polo tecnológico da cidade, o mais importante da região, deve ser foco de ações. “Diversas empresas trabalham em pesquisa e desenvolvimento de produtos voltados na área da indústria e tecnologia. Vemos esse mercado como crescente e promissor, e por isso, buscamos capacitar nossos jovens”, encerra.