RPAs reclamam de atraso no salário desde o mês de agosto

Grupo de funcionários do HM de Americana disse que a direção garantiu que os pagamentos aconteceriam em breve, mas que o dinheiro não foi depositado


Um grupo de seis pessoas entre trabalhadores e ex-trabalhadores do Hospital Municipal Waldemar Tebaldi, em Americana, contratados por RPA (Recibo de Pagamento de Autônomo), fez reclamações ao LIBERAL de que os pagamentos estão atrasados desde o mês de agosto.

Os prestadores de serviço atuam na área de enfermagem, mas também nos serviços gerais da unidade hospitalar. O contrato não dá vínculo empregatício direto, mas permite a prestação de serviços temporários. Atualmente há também profissionais de medicina atuando no hospital.

Uma RPA, que não quis ser identificada, disse que trabalhava há mais de um ano no hospital quando deixou o serviço por falta de pagamentos. “Recebemos R$ 520 referente a uma parte do pagamento de setembro (relativo a 20 de agosto e 20 de setembro) e até agora não foi pago mais nada”, disse. Enfermeira, a profissional disse que recebia entre R$ 3 mil e R$ 3,2 mil.

Ela disse que durante este período ouviu da direção do hospital que os pagamentos aconteceriam em breve e não se concretizaram. “É sempre essa desculpa de que vai pagar na terça, depois na quinta e nada”.
Por meio da assessoria, a prefeitura informou que a Fusame (Fundação de Saúde de Americana) levantaria as informações sobre números de RPAs e devedores e se manifestaria nesta quarta-feira a respeito.

Passando por período de calamidade financeira, o município atravessa problemas para realizar o pagamento de fornecedores e o salário dos servidores também vem sendo parcelado. Apesar de ser gerido por uma autarquia, o hospital depende de recurso da prefeitura para se manter.