Projeto chega ao 5º ano, mas baixa adesão preocupa

Quando foi lançada, proposta contava com a dedicação de 12 patrulheiros da Guarda Municipal e hoje são somente três


O projeto “Anjos da Guarda”, idealizado pela Gama (Guarda Municipal de Americana), completa em 2017 cinco anos de existência, prestando atendimento, ao longo do ano, a mais de 5 mil estudantes de escolas públicas e privadas do município.

Contudo, o número de patrulheiros que participam das atividades está bem abaixo do ideal, segundo o instrutor de policiamento da corporação, Willian Roberto Nicola Scarazzatti. Quando foi lançado, em 2012, o “Anjos da Guarda” contava com 12 guardas dedicados exclusivamente ao trabalho de promover atividades de conscientização e prevenção junto à comunidade escolar.

Com o tempo, eles foram deixando o setor e hoje, apenas três servidores realizam o trabalho, que envolve palestras, instruções, gincanas, bem como o contato direto com professores, diretores e pais de alunos.

Foto: Divulgação
Programa desenvolvido pela Guarda Municipal de Americana atende cerca de 5 mil alunos por ano

A adesão ao programa depende do interesse pessoal de cada guardas. Eles podem buscar a transferência para o setor, assim como para as demais áreas da Gama, como por exemplo, o Grupo de Proteção Ambiental, instituído oficialmente há pouco tempo.

Por ano, são atendidos cerca de 20 ofícios de escolas, além de empresas privadas que solicitam o serviço durante as Sipats (semanas internas de prevenção a acidentes de trabalho).

“No momento, contamos com três servidores da Guarda Municipal de Americana prestando serviços nesta equipe. É interessante haver pelo menos mais dois servidores para manter duas equipes realizando os trabalhos de forma plausível. No entanto, esses servidores estão dando conta da demanda e realizando um excelente trabalho, o que é importante ressaltar”, explicou Scarazzatti.

Dia a Dia

O trabalho de ronda escolar é realizado diariamente por viaturas da Gama, que atuam de forma independente do projeto “Anjos da Guarda”. O patrulheiro Thiago Cunha, que está desde a primeira turma do “Anjos da Guarda”, explicou que, para integrar o projeto, é preciso afinidade com crianças e adolescentes. Tanto que ele mesmo buscou formação superior em pedagogia.

“O objetivo principal do programa é a aproximação dos alunos com os guardas. Quebrar o estigma com a polícia e, através disso, passar informações educativas”, disse Cunha.

O trabalho do “Anjos da Guarda” atende a ofícios encaminhados pelas escolas, que solicitam a temática de interesse para ser trabalhada.

“Os temas são variados, de acordo com a necessidade da comunidade e da faixa etária. Os mais pedidos são drogas e violência, métodos de contracepção por conta de casos de gravidez precoce e doenças sexualmente transmissíveis. Mas trabalhamos também meio ambiente, segurança pessoal, violência doméstica, além da presença diária nas escolas”, explicou o patrulheiro.

Recentemente integrada à equipe, a guarda municipal Cleucia Pereira está passando por treinamento para dar início aos trabalhos em sala de aula após o recesso escolar.

“Antes, eu realizava mais trabalho interno e não tive a oportunidade de conhecer esse programa. Mas decidi me candidatar a essa vaga para conhecer e ver se tenho o perfil”, disse Cleucia. Além dela, também integra a equipe a guarda Luciana Marques, pós-graduada em psicopedagogia.