Produção artesanal de ovos cresceu 5% em Americana

Comerciantes que investiram na produção artesanal de ovos de chocolate conseguiram fazer os negócios crescerem em média de 3% a 5% na Páscoa deste ano


Os comerciantes que investiram na produção artesanal de ovos de chocolate conseguiram fazer os negócios crescerem em média de 3% a 5% na Páscoa deste ano. O dado é da Acia (Associação Comercial e Industrial de Americana) que levantou com os principais lojistas do ramo o reflexo das vendas.

“Era algo previsto pela associação e pelos próprios comerciantes este aumento na produção caseira. Tivemos produtores artesanais que cresceram até 20%”, revelou o presidente da Acia, Dimas Zulian.

Na contramão, o setor varejista, que focou as vendas em grandes marcas, amargou uma redução nas vendas, muito por conta da precaução. “Os supermercados chegaram a reduzir até 10% os estoques para este ano, por causa da crise. Os lojistas não quiseram fazer grandes reservas”, pontuou Zulian.

Foto: Arquivo / O Liberal
Os chamados ovos caseiros tiveram maior saída devido ao preço das grandes marcas

O reflexo foi sentido nas prateleiras e não passou despercebido pelos consumidores. Aqueles que deixaram para fazer compras no sábado e domingo tiveram poucas opções e encontraram as prateleiras vazias.

No sábado, a auxiliar de enfermagem Alessandra Oliveira da Silva, de 32 anos, declarou ao LIBERAL que encontrou promoções por conta da pouca variedade. “Fiquei feliz, encontrei ovos até R$ 5 mais barato”, comemorou.

“Só não tem muita variedade. Precisei improvisar com os ovos que sobraram e comprando de outras marcas”, explicou. Pela mesma situação passou o representante comercial Thiago Faé, de 35 anos. “Deu para notar que a quantidade já estava bem menor, quase tudo esgotado. Mesmo com crise, nessas épocas, o povo gasta”, comentou.

Em Santa Bárbara d’Oeste o cenário foi mais promissor, de acordo com a Acisb (Associação Comercial e Industrial de Santa Bárbara).

A assessoria de imprensa da instituição informou que fez um levantamento em lojas de chocolate e supermercados, chegando a uma média de crescimento de 14% no setor, em relação a Páscoa do ano passado.