Presidente licenciado promete revisar greves dos servidores

Antonio Forti vê desgaste excessivo por conta da baixa adesão nas paralisações e disse que está preocupado com as demissões anunciadas pela prefeitura


O presidente licenciado do SSPMA (Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Americana), Antonio Bassan Forti, o Toninho Forti, prometeu rever a situação de greves consecutivas e de poucas adesões assim que retornar ao posto. Licenciado até o fim do mês, Forti vê desgaste excessivo por parte das poucas pessoas que vem paralisando os serviços e pretende também promover um diálogo com os servidores para definir o futuro do serviço público.

Forti se licenciou para disputar as eleições e retornará ao cargo no fim do mês. Diante de um processo de corte de pessoal que deve atingir também servidores concursados, o presidente reassume a posição já com o desafio de acompanhar a situação. “Eu quero, quando voltar, conversar com a administração. Tem uma série de medidas que tem de ser tomadas antes de cortar. Só vai chegar nos concursados caso todos os comissionados e RPAs (Recibo de Pagamento de Autônomo) forem cortados”, disse.

Foto: Arquivo / O Liberal
Toninho disse que está preocupado com as demissões anunciadas pela prefeitura

O presidente explicou ainda que tentará de todas as formas estabelecer o diálogo com os servidores para definir os rumos futuros dos trabalhadores. “Estou preocupado com essas informações de demissões, o número de servidores disposto a lutar por dignidade é pouco. Temos de começar o diálogo com os servidores”, disse. Esse diálogo poderá se dar por meio de assembleias, encontros no espaço de trabalho e até mesmo debates em um lugar mais amplo.

Atualmente, o sindicato tem autorização dos servidores para realizar greves sempre que houver atraso no pagamento de salários. O movimento grevista tem perdido força nos últimos meses, sobretudo em função de uma decisão judicial que obriga que 80% dos servidores têm de trabalhar.

Quanto à relação com o prefeito, Omar Najar (PMDB), Forti disse que sempre houve diálogo. “O Omar sempre esteve aberto. É sempre uma relação de sinceridade, cada um fala o que tem para falar, sem rodeios, mas com respeito”, disse nesta segunda.

Forti acredita que ambas as partes, sindicato e prefeitura, se distanciaram e radicalizaram posições nos últimos meses em função, sobretudo, do acirramento de Ânimos do período eleitoral. “Eu acho que o cenário eleitoral contribuiu bastante para a radicalização, só houve desgaste”, afirmou.

Liberal Motors – BC
Revista L – BC.1

Os servidores municipais aprovaram pela continuidade da greve em assembleia realizada na manhã desta segunda-feira. Os servidores receberam, até agora, R$ 800 dos salários. Nesta terça-feira é possível que haja outra parcela de pagamentos.