Polícia Civil investiga assassinato no Jardim Brasil

Aparecido Dorival da Fonseca, de 57 anos, era tio de Roger Willians da Fonseca (PSDB), vice-prefeito de Americana; ele foi morto com um tiro na cabeça


A Polícia Civil de Americana não descarta nenhuma linha de investigação sobre o assassinato do autônomo Aparecido Dorival da Fonseca, de 57 anos, sábado à noite (1), no Jardim Brasil. Ele era tio de Roger Willians da Fonseca (PSDB), vice-prefeito de Americana e assessor do presidente da Alesp (Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo), Cauê Macris.

“As investigações correm em sigilo. Todas as circunstâncias serão levadas em consideração para o esclarecimento do crime”, afirmou o delegado Antônio Donizete Braga, titular da DIG (Delegacia de Investigações Gerais) de Americana. De acordo com ele, qualquer informação que possa auxiliar na elucidação do crime podem ser passadas pelo disque denúncia por meio do telefone 181 ou diretamente na delegacia.

Foto: João Carlos Nascimento - O Liberal.JPG
Delegado da DIG, Antonio Donizete Braga, disse que investigações seguem em sigilo

O autônomo, segundo a Guarda Municipal, foi atingido por um tiro na cabeça em uma viela da Avenida Antonio Centurione Boer, no Jardim Brasil, por volta das 19 horas. Ele retornava para casa após fazer compras em um supermercado da região.

A vítima chegou a ser socorrida pelo Corpo de Bombeiros, mas chegou sem vida ao Hospital Municipal Dr. Waldemar Tebaldi. Ela carregava dois celulares, R$ 1,4 mil em dinheiro e cheques. Nenhum pertence foi levado. O crime teria sido cometido por duas pessoas em uma moto.

Notícias sobre a região, Brasil e o mundo em um clique. Receba nossa newsletter