Consumidor deixa de lado a crise no Centro

Previsão feita pela ACIA era de um crescimento de 2% em relação as vendas do ano passado; comerciantes comemoraram a data


Muito tem se falado em crise econômica nos últimos tempos, mas neste sábado (12), ao menos em Americana, diversas pessoas deixaram de lado os problemas financeiros e lotaram as lojas do centro de Americana para garantir o presente do Dia dos Pais. O comércio funcionou das 9h até as 18h para atender os consumidores que deixaram para comprar os presentes na última hora.

O forte movimento foi sentido em uma loja de calçados no centro de Americana. Segundo o estoquista Leandro Guilherme de Souza, as vendas superam a do dia das mães, que é considerada uma das melhores para os lojistas. “O movimento está contínuo desde sexta-feira, está vendendo até mais do que no dia das mães, uns 80% a mais”, comemora o estoquista.

A vendedora de uma loja de perfume, Natália Santiago também viu uma procura grande de consumidores. “Temos lojas em outras cidades, mas a de Americana é a que está tendo resultados melhores.”, relatou Natália.

A previsão feita pela ACIA (Associação Comercial e Industrial de Americana) era de um crescimento de 2% em relação as vendas do ano passado. Mesmo sem ter os resultados dos lojistas, o presidente da associação, Dimas Zullian já nota uma melhora no cenário. “As pessoas de Americana dão preferência para comprar no comércio de Americana, isso deixa o comércio forte. Mesmo sem poder quantificar ainda, já podemos notar um crescimento nas vendas, foi um dia muito bom para os lojistas”, contou Zullian.

O resultado das vendas do Dia dos Pais será divulgado nos próximos dias pela ACIA.

Foto: João Carlos Nascimento - O Liberal
Consumidores lotaram as lojas do centro de Americana

ECONOMIA: Para poder presentear o pai, sogro e esposo, a dona de Casa Ângela Maria Fernandes de 42 anos está desde Março fazendo economia para conseguir agradar e não ficar com dívidas. “Guardei um pouco aqui e outro ali para não ficar com dívidas depois, isso é o mais importante”, explica Ângela. Ela que comprou os presentes na faixa de valor de R$ 100 até R$ 120 confessa que mesmo com o país em crise, não poderia deixar essa data passar em branco. “O valor desses presentes são pequenos se comparados com o que eles merecem, mas se for ver a parte financeira, é muito gasto se comparada com a crise financeira que o país passa”.

Notícias sobre a região, Brasil e o mundo em um clique. Receba nossa newsletter