Oito remédios estão em falta na Farmácia Central

Ao todo, 722 pacientes estão cadastrados na prefeitura para retirar os medicamentos, que são fornecidos pelo Estado e União


Oito medicamentos estão em falta na Farmácia Central de Americana, afetando 722 pacientes da cidade, segundo informações da prefeitura. Esses remédios são utilizados para tratamentos de Alzheimer, transtorno bipolar, crises epiléticas, esclerose múltipla, asma, enfizema pulmonar e colesterol.

O secretário de Saúde de Americana, Gleberson Miano, esteve nesta terça-feira no DRS (Departamento Regional de Saúde) VII, em Campinas, para cobrar uma solução. Segundo informações do vereador Rafael Macris (PSDB), que participou do encontro, a representante da unidade disse que tomaria providências e daria uma posição até quinta-feira.

Foto: Arquivo / O Liberal
Prefeitura cobra ações, pois Estado e União não entregam remédios

A técnica de enfermagem Cristina Manguli, de 54 anos, procurou a Farmácia Central para buscar cinco seringas do medicamento Betainterferona, utilizado para tratamento de esclerose múltipla. Contudo, saiu de mãos vazias e com a promessa de que o remédio deve chegar ao posto apenas nesta quinta-feira. “Se não vier, eu vou procurar a Justiça”. O medicamento custa mais de R$ 7 mil. “Eu tomo toda a semana, não posso ficar sem porque pode dar surto da doença”.

A dona de casa Alessandra Fiorani, de 40 anos, há quatro meses está economizando o medicamento que utiliza no tratamento para asma, já que ele não é encontrado na Farmácia Central. A indicação é que use dois comprimidos por dia do Formeterol + budesonida, colocando-os dentro do inalador próprio para o uso. Como está desempregada e sem condições de comprar o remédio ela utiliza apenas uma das duas cápsulas que precisa por dia.

O frasco com os 60 comprimidos para o mês custa cerca de R$ 100, segundo ela. “Às vezes tenho até que pedir ajuda pra comprar. Faz mais de cinco anos que eu tomo, mas antigamente não faltava”, reclamou.

FORNECEDORES
De acordo com a prefeitura, estão em falta os remédios Budesonida, Formeterol + budesonida, Galantamina, Pravastatina, Tiotrópio, Topiramato, Quetiapina e Betainterferona – esses dois últimos fornecidos pelo Ministério da Saúde, e os demais de responsabilidade do Estado.

A pasta estadual disse que o desabastecimento ocorreu por atraso na entrega dos fornecedores. Apenas os medicamentos Tiotrópio e Pravastatina ainda estão em processo de compra. As empresas já foram comunicadas sobre o atraso e podem ser multadas.

O Ministério da Saúde disse que a entrega de todas as dosagens dos remédios Quetiapina e Betainterferona estão regulares. Apenas o tipo 30 mcg do Betainterferona sofreu atraso e deve ser entregue nas próxima semanas. Já a Secretaria Estadual informou que o Ministério descumpriu os prazos previstos em portaria federal e entregou quantitativos insuficientes para a demanda.

Notícias sobre a região, Brasil e o mundo em um clique. Receba nossa newsletter