Corte de probatórios atinge 20 escolas municipais

Prefeitura enviou nota garantindo que remanejamento vai resolver falta de profissionais na rede pública


A exoneração de funcionários em estágio probatório que pertenciam à Secretaria de Educação de Americana afeta diretamente 20 unidades de ensino da rede municipal, conforme informações do Executivo. Nas outras 34 unidades, o reflexo é indireto por conta do remanejamento. Diante de relatos de problemas causados pela ausência dos profissionais, a prefeitura enviou nota nesta terça-feira afirmando que se tratam de situações pontuais em três escolas. Ao todo, 48 pessoas foram exoneradas na Educação, entre professores, pedagogos, cozinheira e uma enfermeira.

A reportagem do Grupo Liberal apurou que nesta segunda-feira supervisores discutiram a situação com professores de algumas escolas e que um dos temas abordados foi a possibilidade de profissionais “dobrarem” a carga para substituir colegas de outras unidades em caso de faltas que não possam ser supridas. Essa medida, entretanto, ainda não foi confirmada pela Secretaria de Educação, e não é uma determinação, segundo a prefeitura.

Outra situação que preocupa pais e professores é a de inspetores e estagiários ficarem com os estudantes por conta da ausência de professores auxiliares para substituição. Apesar de não terem a responsabilidade e a capacitação para darem aula, segundo a administração, esses profissionais ficam com as crianças no pátio, quadra ou sala de vídeo, desenvolvendo atividades extracurriculares – que fazem parte de suas atribuições. Esse cenário desagrada os pais, porque, na prática, o aluno fica sem aula e continuidade no conteúdo.

“As crianças já estão no mês nove, adaptadas com o professor, que já estão no embalo, sabem quem tem mais dificuldade, o que os alunos sabem, o que não sabem. Minha filha disse que quando falta professor são desenvolvidas várias atividades para preencher esse tempo. Eles contam história e falam da natureza”, relatou o industriário Osmar Werkling, de 45 anos, que é pai de uma aluna do Ciep Jaguari e está revoltado com as exonerações.

Na nota, a prefeitura afirma que a rede municipal tem uma média de 50 faltas por dia e que diante disso o remanejamento para evitar aulas vagas tem sido constante. “Nenhuma criança precisou voltar para casa ou ficou sem atividades na escola”, escreveu a prefeitura, que afirmou ainda que houve exoneração de professores que cuidavam de alunos com necessidades especiais, e que nestes casos também vem ocorrendo remanejamentos.

Notícias sobre a região, Brasil e o mundo em um clique. Receba nossa newsletter