Temer: não devemos nos assustar com movimentos que cobram mais eficiência

O presidente Michel Temer afirmou nesta segunda-feira, 28, que as manifestações de rua são legítimas, mostram que a população está…


O presidente Michel Temer afirmou nesta segunda-feira, 28, que as manifestações de rua são legítimas, mostram que a população está cobrando mais eficiência nos serviços públicos e privados, mas que o governo não pode se assustar com protestos.

“Nós não devemos nos assustar com determinados movimentos que pleiteiam cada vez mais eficiência”, disse. “Não temos que nos impressionar com movimentos sociais, com aqueles que postulam porque são postulações legítimas. Isso só nos faz ficarmos mais atentos ainda para logo alcançarmos o crescimento do País”, completou.

A PEC do teto dos gastos, que tem votação no Senado marcada para amanhã, tem feito com que grupos retomem agendas de protestos contra a medida, podendo dar força a o movimento “Fora Temer”. Além disso, a acusação do ex-ministro da Cultura Marcelo Calero de que Temer agiu para atender aos interesses pessoais do então chefe da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima, na briga com o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), também ampliou o desgaste do governo.

Temer afirmou que a Constituição garante livre manifestação e que se os protestos são organizados e sem violência “não há porque reclamar”. “Muitas vezes, estes protestos foram desprezados porque neles ingressaram aqueles que não queriam apenas protestar, mas depredar. Eles não souberam exercitar a democracia”, afirmou.

Temer fez a fala durante seminário Brasil Futuro, promovido pela Consulting House, em um hotel de Brasília. O painel do presidente foi intitulado “Perspectivas para o Brasil”, mas ele dedicou boa parte de sua fala para traçar “um breve histórico” do Brasil. “Logo que promulgaram a Constituição Federal a primeira ideia que se tinha era céu azul e que todos achavam que tudo estava resolvido, que a constituinte era a panaceia para tudo”, disse. “No segundo momento (…) as pessoas queriam o pão sobre a mesa”, completou.

Segundo ele, desde então, há um “processo histórico que não podemos negar” e que muitas vezes um governo “quer destruir o que o outro fez”. “Somos obrigados a reconhecer que muitas pessoas deixaram pobreza absoluta. E quando se fala que foram para a classe média, elas foram para o primeiro patamar da classe média”, afirmou, sem citar nominalmente a ex-presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, apenas fazendo referência ao ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. “A nova classe média uniu-se à existente e passou a exigir, a protestar”, disse, citando as manifestações de 2013.

Temer disse ainda que recentemente o governo “verificou uma mudança de chefia” e que como ele era vice-presidente assumiu legitimamente no lugar da ex-presidente Dilma Rousseff. “Ao longo do tempo, verificaram-se muitas contestações e por dispositivo constitucional fui alçado a presidente da república”, afirmou. O presidente destacou que assim que assumiu viu que a primeira ideia do governo deveria ser o diálogo. “Se você na democracia não entender que é fundamental o diálogo, democrata você não é”, destacou.