Nyã Baobá – SB.1

Presidente da Coreia do Sul diz que Legislativo pode decidir sobre impeachment

A presidente da Coreia do Sul, Park Geun-hye, afirmou em discurso televisionado nesta terça-feira que deixará seu destino político nas…


A presidente da Coreia do Sul, Park Geun-hye, afirmou em discurso televisionado nesta terça-feira que deixará seu destino político nas mãos do Legislativo. A declaração foi surpreendente e vista por alguns analistas como uma tática para criar um impasse e ela seguir no poder.

Em breve discurso, Park pediu desculpas novamente pelo escândalo político que derrubou sua popularidade. Ela disse estar aberta para abrir mão do poder, mas deixou nas mãos da Assembleia Nacional determinar se ela deve seguir como presidente. A Assembleia Nacional é controlada pela oposição e por parlamentares independentes.

No poder desde 2013, Park afirmou que cumprirá o processo legal, prometendo apresentar mais detalhes sobre o escândalo e responder a questões em data futura não especificada. Ela não respondeu a perguntas após o pronunciamento. A presidente é acusada de permitir que uma amiga de longa data extorquisse dinheiro de empresas, usando sua proximidade do poder. Park tem aprovação de apenas 4% entre os eleitores sul-coreanos.

Para realizar um impeachment, é preciso 200 votos na Assembleia Nacional de 300 integrantes. Atualmente, 172 legisladores oposicionistas e independentes querem a saída de Park. Com isso, para retirar a líder seriam necessários os votos de 28 dos 128 parlamentares do partido conservador Saenuri, de Park. Vários deputados governistas já disseram que votarão pela saída da presidente. A imprensa local avalia que entre 30 e 40 legisladores governistas podem votar pelo impeachment.

A votação deve ocorrer antes de 9 de dezembro, quando acaba a sessão deste ano da legislatura sul-coreana. Caso o Parlamento vote pelo impeachment, Park seria suspensa e o número dois do país, o primeiro-ministro Hwang Kyo-ahn, assumiria como presidente interino. O Tribunal Constitucional teria então de se pronunciar para decidir se o impeachment é justificado – a corte teria 180 dias para se pronunciar.

Caso seis dos nove magistrados do Tribunal Constitucional decidirem que a saída se justifica, Park perderia formalmente o cargo. A Coreia do Sul teria então 60 dias para eleger um sucessor. Se mais de três juízes discordarem, porém, a presidente retomaria o posto imediatamente.

Revista L – BC.1
Liberal Motors – BC

A amiga da presidente que está no centro do escândalo é Choi Soon-sil, de 60 anos, que supostamente usava seus laços com a líder para conseguir milhões em doações de companhias sul-coreanas. A presidente e a amiga afirmam ser inocentes. Fonte: Dow Jones Newswires.