Taxas futuras de juros caem com retração do PIB e antes de Copom

O PIB brasileiro recuou 0,8% no terceiro trimestre em relação ao segundo trimestre deste ano


A retração da economia no terceiro trimestre coloca os juros futuros em queda na manhã desta quarta-feira, 30, e aumenta a expectativa para o desfecho da reunião do Copom, após o fechamento dos mercados.

Segundo o gerente de renda fixa da Leme Investimentos, Paulo Petrassi, embora o PIB tenha vindo dentro do esperado, a abertura do dado ajuda na avaliação de que o Banco Central poderá acelerar o ritmo de corte da Selic em 2017. “Agora há maior probabilidade de vermos um dissidente, com voto para corte de 0,50 ponto, ou uma mudança de tom no comunicado”, disse.

O PIB brasileiro recuou 0,8% no terceiro trimestre em relação ao segundo trimestre deste ano, ficando dentro do intervalo das estimativas dos analistas de 41 instituições consultados pelo Projeções Broadcast, que esperavam uma retração de 0,50% a 1,15%, com mediana negativa de 0,9%.

Na comparação com o terceiro trimestre de 2015, o PIB recuou 2,9% no terceiro trimestre deste ano. O resultado ficou dentro das estimavas dos analistas, que previam contração de 2,60% a 4,85%, com mediana negativa de 3,20%.

Às 9h40 desta quarta, o DI para janeiro de 2017 estava em 13,591%, na mínima, de 13,613% no ajuste de terça-feira, 29. O DI para janeiro de 2018 exibia 12,07%, de 12,08% no ajuste de ontem. O vencimento para janeiro de 2019 estava em 11,59%, de 11,61% no ajuste anterior. O DI para janeiro de 2021 estava em 11,82%, de 11,86% no ajuste da véspera.