Políticas de Trump geram otimismo e bolsas da Europa fecham em alta

Os mercados acionários europeus fecharam em alta nesta sexta-feira, 20, recuperando-se de parte das perdas registradas na sessão anterior, apoiados…


Os mercados acionários europeus fecharam em alta nesta sexta-feira, 20, recuperando-se de parte das perdas registradas na sessão anterior, apoiados por um otimismo renovado quanto à aprovação de uma reforma no sistema tributário dos Estados Unidos. O futuro do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) também esteve no radar dos investidores, que colocaram para escanteio as tensões envolvendo a Catalunha.

O índice pan-europeu Stoxx-600 fechou em alta de 0,23% (+0,88 ponto), aos 389,99 pontos. Na semana, no entanto, houve queda de 0,37%.

As políticas do presidente americano, Donald Trump, voltaram ao radar global nesta sexta-feira, após o Senado americano ter aprovado, na noite anterior, uma proposta orçamentária para o próximo ano fiscal, removendo um importante obstáculo para que a reforma tributária do republicano seja apreciada no Congresso. Com apenas um dissidente do partido do presidente, o senador Rand Paul (Kentucky), a aprovação do orçamento dá sinais de que os cortes de impostos podem passar no Senado, apesar de a Casa ter apresentado problemas para as políticas de Trump anteriormente. A aprovação da peça orçamentária impulsionou o dólar e fez com que moedas europeias perdessem a briga em relação à divisa americana, favorecendo ações de exportadoras.

Além do campo político americano, investidores se voltaram para o campo econômico. O diretor do Fed Jerome Powell despontou como o favorito de Trump, de acordo com o site Politico, e disparou em sites de apostas, com mais de 60% de chance na visão de investidores. A perspectiva de que o banco central americano será comandado por um dirigente “dovish” (a favor de estímulos monetários), republicano e partidário de menor regulação nos mercados deu aval para que os investidores continuassem indo às compras em âmbito global.

“As questões econômicas dos EUA continuam a superar qualquer coisa que diz respeito ao aumento do risco político”, afirmou o analista-chefe de mercados da CMC Markets, Michael Hewsen, em nota a clientes. Isso porque as tensões envolvendo a Catalunha, que dominaram o noticiário financeiro na quinta-feira, foram deixadas de lado até mesmo na bolsa de Madri. O índice Ibex-35 apresentou recuperação parcial da queda apresentada ontem e fechou em alta de 0,25%, aos 10.222,70 pontos. Na semana, houve baixa de 0,34%.

Neste sábado, haverá uma reunião de gabinete comandada pelo primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, onde a ativação do artigo 155 da Constituição espanhola estará em jogo. Caso o artigo seja invocado, o governo pode retirar poderes da região semiautônoma catalã.

O assunto foi um dos temas tratados no primeiro dia do Conselho Geral da União Europeia (UE), realizado em Bruxelas. O assunto principal, no entanto, foi a saída do Reino Unido do bloco comum, processo conhecido como Brexit. A primeira-ministra britânica, Theresa May, pediu aos líderes europeus que avancem nas negociações do divórcio, enfatizando o interesse das duas partes e destacando a importância de se chegar a um acordo em relação à segurança e ao livre comércio. As tratativas, porém, passam por um impasse neste momento e seguem em um ritmo considerado lento, tendo em vista que o Brexit se iniciará no fim de março de 2019. De olho no Brexit, o índice FTSE-100, da bolsa de Londres, fechou estável, aos 7.523,33 pontos, com perda semanal de 0,16%.

Na agenda de indicadores do dia, o destaque vai para o índice de preços ao produtor (PPI, na sigla em inglês) da Alemanha, que subiu 0,3% em setembro em relação ao mês anterior, com alta de 3,1% na comparação anual, segundo dados publicados pela agência de estatísticas do país, a Destatis. Na bolsa de Frankfurt, o índice DAX fechou em alta de 0,01%, aos 12.991,28 pontos, encerrando a semana na estabilidade. As ações da Daimler caíram 0,90% após a companhia, que produz carros de luxo da marca Mercedes-Benz, ter anunciado que seu lucro caiu para 2,18 bilhões de euros no terceiro trimestre, apesar de a receita ter avançado para 40,81 bilhões de euros, superando a projeção da FactSet, que indicava receita de 40,64 bilhões de euros.

Em Milão, o índice FTSE-Mib fechou em alta de 0,97%, aos 22.346,85 pontos, com baixa semanal de 0,30%. Já o índice PSI-20, da bolsa de Lisboa, perdeu 0,15%, aos 5.451,91 pontos, com alta semanal de 0,11%. Na bolsa de Paris, o índice CAC-40 teve expansão de 0,08% e de 0,39% na semana, aos 5.372,38 pontos. (Com informações da Dow Jones Newswires)

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora

Receba nossa newsletter!