Investigada na Lava Jato, empreiteira Engevix é vendida a sócio por R$ 2

Dois dos sócios da Engevix, uma das empreiteiras da Operação Lava Jato, desistiram da empresa e venderam suas participações ao…


Dois dos sócios da Engevix, uma das empreiteiras da Operação Lava Jato, desistiram da empresa e venderam suas participações ao terceiro acionista por R$ 1 cada um – menos do que o preço de um cafezinho. Além do pagamento simbólico, Gerson Almada e Cristiano Kok terão as despesas com os advogados que os defendem numa montanha de processos bancadas por José Antunes Sobrinho, que passou a ser o único dono da empresa.

Para Almada e Kok, foi o pouco que sobrou da empresa que no auge chegou a faturar R$ 3 bilhões por ano, até virar alvo da Lava Jato. Pelo acerto assinado em 15 de setembro, Almada também ficou com um prédio da companhia, avaliado em cerca de R$ 30 milhões, como pagamento de metade de uma dívida que a Engevix tinha com ele.

Antunes, o novo controlador, vai herdar uma dívida entre R$ 2 bilhões e R$ 2,5 bilhões para administrar. O empresário, que está tentando fechar um acordo de leniência, conta com o tempo para vender os negócios da Engevix que ainda restam e pagar pelo menos parte do débito com os bancos. Se conseguir passar dessa fase, dizem pessoas próximas a ele, vai tentar recomeçar com a empresa de engenharia onde tudo começou, quase 20 anos atrás.

O desmanche da Engevix é um retrato da decadência que tomou conta das empreiteiras envolvidas na Lava Jato. Dona de uma trajetória fulminante durante os governos do PT, o faturamento da Engevix hoje não chega a R$ 1 bilhão por ano.

A empresa entrou em declínio com a descoberta de seu envolvimento com corrupção na Petrobrás e na Usina Nuclear Angra 3. Almada e Antunes Sobrinho foram presos e condenados em primeira instância. Tentaram fazer acordos de delação premiada, mas até agora não conseguiram. No mês passado, o nome da Engevix apareceu novamente na Operação Greenfield, que investiga operações irregulares com fundos de pensão de empresas estatais.

A Engevix ainda tem o Estaleiro Rio Grande, o maior do País, que foi adquirido pela companhia em 2010, por R$ 410 milhões, em sociedade com a Funcef (fundo de pensão da Caixa); e a Usina Hidrelétrica São Roque (SC), cuja obra ainda não foi concluída e tem licenciamentos ambientais questionados. Também detém 6% de fatia na concessão rodoviária Viabahia, que está em negociações com a controladora Isolux. O estaleiro e a usina também estão à venda para abater as dívidas. O processo de reestruturação do grupo está sendo conduzido pelo banco Brasil Plural.

Liberal Motors – BC
Revista L – BC.1

Almada, Kok e Antunes Sobrinho se tornaram sócios há quase 20 anos, quando compraram a Engevix, uma das principais empresas de engenharia do País. Eles eram executivos da empresa que, à época, pertencia ao grupo Rossi, um dos maiores da área imobiliária e que também está em delicada situação financeira.

Desentendimentos
Após o envolvimento da companhia na Lava Jato, os sócios passaram a se desentender. Já não participavam juntos de reuniões de negócios, segundo fontes ouvidas pelo jornal O Estado de S. Paulo. O envolvimento da companhia na Greenfield foi decisivo para a saída de vez de Kok e Almada do grupo.

Desde que as primeiras investigações da Polícia Federal vieram à tona, a Engevix vem se desfazendo de negócios estratégicos. Entre eles está a venda das concessões nos aeroportos de Brasília e do Rio Grande do Norte, em agosto do ano passado, para a Corporación América, do consórcio Inframérica. O grupo também se desfez, no início de 2015, da fatia de 36,85% na Desenvix Energias Renováveis, arrematada pela norueguesa Statkraft.

Os três sócios têm processo contra a Petrobrás em que pedem indenização por falta de pagamento. Se ganharem, possibilidade considerada remota, devem ratear a receita. Procurados, Antunes e Kok preferiram não se manifestar. Almada não foi encontrado. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.