Falta de consenso adia decisão sobre perdas da poupança

Mesmo após cerca de cinco horas de discussões na Advocacia Geral da União (AGU), a portas fechadas, representantes de poupadores…


Mesmo após cerca de cinco horas de discussões na Advocacia Geral da União (AGU), a portas fechadas, representantes de poupadores e bancos não fecharam nesta sexta-feira (6) o acordo a respeito do pagamento das perdas na caderneta de poupança com os planos econômicos das décadas de 1980 e 1990. Sob a intermediação da ministra da AGU, Grace Mendonça, as partes debateram a respeito de juros e critérios de correção dos montantes, mas outro encontro foi marcado para o dia 20, segundo fontes.

Havia a expectativa de que os dois lados finalmente finalizassem o acordo a respeito dos valores a serem pagos. No entanto, a Federação Brasileira dos Bancos (Febraban) nem mesmo apresentou sua proposta de desconto.

Em setembro, representantes dos poupadores haviam apresentado proposta de desconto de 15% a 20% sobre os montantes devidos, dependendo da categoria em que a ação está enquadrada. Esse parâmetro tem como referência acordos menores fechados pelos bancos na Justiça. A Febraban se comprometeu a apresentar sua proposta de desconto apenas no dia 20.

Fontes afirmaram que as partes discutiram juros a serem aplicados e critérios de correção monetária. A partir da definição desses itens se poderá definir a base de valor sobre a qual incidirá o desconto. Segundo uma fonte, foram discutidas “questões laterais, e não o desconto a ser aplicado”. Mas não houve consenso nem mesmo a respeito das correções. Em setembro, falava-se que o valor total do acordo ficaria entre R$ 8 bilhões e R$ 16 bilhões.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora

Receba nossa newsletter!