Bolsas de NY fecham em alta, ajudadas por petróleo e balanços acima do esperado

As bolsas de Nova York fecharam em alta nesta quarta-feira, 19, ajudadas pela valorização acentuada do petróleo e balanços trimestrais…


As bolsas de Nova York fecharam em alta nesta quarta-feira, 19, ajudadas pela valorização acentuada do petróleo e balanços trimestrais melhores do que o esperado, cujos resultados têm mostrado um setor bancário está mais forte do que o imaginado.

O índice Dow Jones terminou em alta de 0,22%, aos 18.202,62 pontos; o Nasdaq ganhou 0,05%, aos 5.246,41 pontos e o S&P 500 avançou 0,22%, aos 2.144,29 pontos.

Seguindo o bom desempenho visto no setor bancário até o momento, o Morgan Stanley informou que teve lucro de US$ 1,6 bilhão no terceiro trimestre deste ano, ou US$ 0,81 por ação, acima do resultado de US$ 1,02 bilhão, ou US$ 0,48 por ação, de igual período do ano passado. Analistas ouvidos pela Thomson Reuters previam que o lucro por ação do banco ficasse em US$ 0,63. O papel do banco terminou em alta de 1,95%.

Além disso, a Halliburton, companhia que presta serviços em campos de petróleo, registrou um inesperado lucro de US$ 6 milhões no terceiro trimestre deste ano, ou US$ 0,01 por ação, e reverteu o prejuízo de US$ 54 milhões, ou US$ 0,06 por ação, em igual período de 2015. A estimativa era de prejuízo de US$ 0,06 por ação. A ação da empresa subiu 4,25%.

O petróleo também garantiu ganhos, com o índice do setor em alta de 2%. Hoje, o Departamento de Energia dos EUA (DoE) informou que os estoques de petróleo no país registraram queda de 5,247 milhões de barris na semana encerrada em 14 de outubro, para 468,711 milhões de barris, contrariando a previsão de aumento de 2 milhões de barris. As ações da Chevron e da ExxonMobil avançaram 0,47% e 0,46%, respectivamente.

Na cenário macroeconômico, foi divulgado hoje à tarde o Livro Bege do Federal Reserve (Fed, o BC dos EUA). O documento sobre a economia dos EUA apontou que a maioria dos distritos continua a relatar crescimento modesto ou moderado, mas também ressaltou que as condições de trabalho seguem apertadas, com reajustes salariais razoavelmente estáveis em níveis modestos. A eleição presidencial, com a disputa entre a democrata Hillary Clinton e o republicano Donald Trump, foi citada repetidamente como fonte de incertezas. Neste cenário, a percepção sobre um possível aumento de juros nos EUA não mudou e as apostas de uma alta em dezembro permanecem em 64,8%, de acordo com o CME Group, o que não pesou muito no mercado acionário. (Com informações da Dow Jones Newswires)

Liberal Motors – BC
Revista L – BC.1