Placas turísticas confundem motoristas em Americana

Os turistas que dependem das placas para se orientar em Americana tem grande chance de não […]


Os turistas que dependem das placas para se orientar em Americana tem grande chance de não conseguir chegar ao destino desejado sem pedir informações pelas ruas da cidade.

Foto: Marcelo Rocha/O Liberal
Placa perto da rodoviária indica sentido errado para o Museu Casarão, que fica depois do bairro Antonio Zanaga
Além de pontos com placas turísticas com sentido invertido, muitos trechos de avenidas contam com equipamentos idênticos em distância de até 500 metros. Já no caso do Jardim Botânico e da Câmara não há qualquer placa de orientação.

A reportagem do LIBERAL percorreu os principais pontos da cidade e constatou a dificuldade enfrentada pelos visitantes, principalmente em regiões afastadas do Centro. O boca a boca, porém, também acaba sendo a alternativa encontrada por motoristas que pretendem chegar ao Parque Ecológico e ao Jardim Botânico, já que as placas não foram instaladas até a chegada do destino.

As placas que identificam o sentido da Casa de Cultura Hermann Müller e da Igreja Carioba são as que mais apresentam erros. Apesar de estarem localizadas na mesma região, equipamentos na Avenida Bandeirantes próximo da entrada do Viaduto Centenário, pedem que o motorista siga em direções opostas. Caso o sentido seja utilizado, o visitante será levado ao Estádio Décio Vitta, ao invés de chegar a Casa Hermann. No próximo cruzamento, o equipamento foi colocado atrás de outra placa, impedindo que o motorista consiga visualizar as informações. As incoerências são ainda maiores na Avenida Antônio Pinto Duarte, já que os dois sentidos contam com placas que pedem para o motorista seguir em frente, seja quem está indo para a entrada da cidade ou para a Avenida da Saudade.

ERROS. A instalação de placas turísticas na cidade, equipamentos com a cor marrom, custou R$ 250 mil, sendo que a verba veio do Ministério de Turismo. Os recursos também permitiram a implantação de placas em locais desnecessários como na Avenida João Abdalla, que conta com três placas idênticas em um trecho de dois quilômetros, orientando o motorista a seguir em frente para chegar até a nascente do Rio Piracicaba, ao Museu Casarão e à Capela Santo Antônio.

Motorista e morador do Jardim Guanabara, Gilberto Luiz de Angelo, de 48 anos, vê diariamente a situação das placas em Americana. “Ando de carro o dia todo e vejo os erros em várias placas, seja para a Fidam, que pede para o motorista virar na esquina errada, ou para a Rodoviária, que tem placa mostrando o sentido do Cemitério da Saudade”, declarou. A Prefeitura, apesar de ter sido procurada, não retornou os contatos para comentar o assunto.

Notícias sobre a região, Brasil e o mundo em um clique. Receba nossa newsletter